segunda-feira, 6 de abril de 2020

García Bragado vai até aos Jogos de Tóquio, aos 51 anos

Jesús Ángel García Braga. Foto: El Periódico/Jordi Cotrina
Montagem: O Marchador
Jesús Ángel García Bragado, carinhosamente tratado por “Chuso” mantém os firmes propósitos de terminar a sua carreira nos Jogos Olímpicos de Tóquio, usando o seu último dorsal, isto, apesar de ter de esperar até agosto de 2021 para poder marchar nos seus derradeiros 50 quilómetros.

“Penso que Tóquio 2021 assinalará a última prova de 50 km marcha (é sabido que a partir daí a prova será substituída no programa dos Jogos Olímpicos pela distância de 35 km) e pretendo continuar a lutar por esse objetivo”, declarou o atleta madrileno a The Tactical Room, consciente de que, no presente momento, o mais importante é preservar a saúde.

García Bragado, que no verão do próximo ano terá 51 anos de idade, é o atleta no mundo inteiro, a par da jamaicana/eslovena Marlene Ottey, com o maior número de presenças em Jogos Olímpicos - sete, e continuando para Tóquio seria o primeiro a chegar às oito participações.

Sempre participando em provas de 50 km, a sua estreia deu-se nos Jogos de Barcelona, em 1992, conquistando diplomas olímpicos nos Jogos de Atenas 2004, onde foi quinto classificado, e nos de Pequim 2008, onde chegou em quarto.

Nos treze campeonatos mundiais em que participou (um recorde absoluto), o maior destaque vai para os de Estugarda, em 1993, onde conquistou a medalha de ouro, sendo ainda vice-campeão em 1997, 2001 e 2009, sexto em 2003, quinto em 1995 e, finalmente, oitavo nos mundiais de Doha, no ano passado, perante condições estremas de calor e humidade. Aqui, com o seu resultado, praticamente garantiu o apuramento direto para os próximos Jogos Olímpicos.

domingo, 5 de abril de 2020

Evocando Hélder Oliveira

Hélder Oliveira, do início da carreira aos Jogos Olimpicos de Seul.
Foto do arquivo O Marchador e imagens vídeo YouTube
Montagem: O Marchador
Hélder Manuel das Dores Oliveira nasceu em Olhão, a 13 de setembro de 1960, e iniciou-se na marcha atlética no ano de 1981 revelando-se, desde então, um dos melhores marchadores nacionais e um modelo inspirador para uma geração de atletas, sobretudo na região do Algarve, uma das que registou no país um maior nível de desenvolvimento nas últimas décadas.

Em representação do Sporting Clube Olhanense, estreou-se nas lides competitivas no dia 11 de janeiro de 1981, nos 5.000 metros marcha do Grande Prémio Sumol, organizado pelo Clube de Futebol “Os Belenenses” na então pista de cinza do Estádio do Restelo, vindo no seu ano de estreia a bater o recorde nacional dos 10.000 metros, em 1982 o dos 5.000 metros e em 1985 o da prova da hora.

Durante a década de 80 manteve-se sempre no topo nacional e foi por escassíssimos dois segundos que no GP “Planície Dourada”, realizado em Beja, a 24 de abril de 1982, não alcançou os mínimos exigidos, prova em que José Pinto se qualificou para os Campeonatos Europeus de Atenas.

Amigo dos companheiros de competição, independentemente da filiação clubística, nunca regateou palavras de estímulo aos mais novos. Veria premiado a dedicação à marcha atlética com a presença nos Jogos Olímpicos de 1988 – sonho de qualquer atleta – juntando-se em Seul, na Coreia do Sul a outros dois grandes expoentes da marcha atlética portuguesa daqueles tempos: José Pinto e José Urbano.

José Pinto, que foi o decano dos marchadores portugueses, um dos pioneiros no ressurgimento da especialidade no nosso país, na década de 70, haveria de dizer que “o Hélder Oliveira teve o prémio que já justificava havia vários anos. Ele foi um grande atleta – isso é indiscutível -, fez história em Portugal, foi impagável em determinadas situações, no companheirismo e no atleta que era”.

Campeão nacional dos 20 km marcha em 1985 e 1987, Hélder Oliveira representou o SC Olhanense (1972 a 1980 na corrida, 1981 a 1983 na marcha), GD Vilamoura (1984), Louletano DC (1985 e 1986), Sporting CP (1987 a 1989) e Imortal DC (1990 e 1991).

No seu percurso internacional participou em vários eventos realizados no estrangeiro, com prestações destacadas. Além dos Jogos de Seul, a cereja no topo do bolo, representou as cores da seleção portuguesa nas Taças do Mundo de 1987 (Nova Iorque), 1989 (L’Hospitalet, Barcelona), 1991 (San José, Califórnia) e nos Campeonatos da Europa de Pista Coberta de 1987 (Liévin, França) e de 1990 (Glasgow, Escócia). Nesta última vertente haveria de estabelecer o recorde nacional, precisamente em Liévin (19.53,51), tendo à sua frente, passados todos estes anos, apenas mais cinco atletas (José Urbano, o atual recordista na distância, os irmãos João e Sérgio Vieira, Miguel Carvalho e Pedro Isidro), o que releva a sua imensa qualidade num tempo onde os apoios económicos eram escassos.

Hélder Oliveira, funcionário da Câmara Municipal de Olhão (área do lazer e do desporto), desenvolve no seu município um vasto conjunto de atividades físicas vocacionadas para o bem-estar da população e era um dos grandes rostos da organização dos Nacionais de Marcha deste ano dos 20 km marcha, adiados para momento oportuno, atentas as ponderosas razões de salvaguarda da saúde (Codiv-19) que Portugal e o Mundo atualmente atravessam.

Desde 1988, com o lançamento do programa “Marchas Passeio”, da DGD, que Hélder Oliveira não abranda um momento. São as marchas no concelho, são as marchas solidárias, são os corta-matos escolares concelhios e os eventos de marcha e corrida, integrados no programa “Corridas à Sexta” e realizados por toda a região do Algarve, é toda a coordenação do grupo de marcha e corrida “Mexe-te Mó”, com a adesão regular de mais de uma centena de participantes, é a descoberta e a certificação de seis novos percursos pedestres, num constante rodopio.

São várias as condecorações e honrarias que o carismático Hélder Oliveira já recebeu de entidades públicas das quais destacamos, em 1986, a atribuição pela Junta de Freguesia de Olhão da Medalha de Honra da Freguesia e, em 1988, a concessão pela Câmara Municipal de Olhão da Medalha de Mérito Desportivo. Ainda na década de oitenta havia sido agraciado pela Junta de Freguesia de Quelfes com a Medalha de Honra – Grau Ouro.

sábado, 4 de abril de 2020

Kozell bate recorde W65 do Canadá nos Campeonatos Indoor de Ontário

A recordista W65 do Canadá, Kris Kozell (dorsal 918),
pose feminina e a partida conjunta da prova de marcha.
Fotos: John MacMillan/Ontario Masters
Montagem: O Marchador
Kris Kozell, marchadora de 67 anos do Ontario Racewalk, esteve em evidência por ocasião da 50.ª edição dos Campeonatos de Ontário de Atletismo Veterano em Pista Coberta, disputados em Toronto (8/3), ao bater o recorde do Canadá da categoria W65 nos 3.000 metros marcha, com 17:46.49, marca que pela tabela de graduação internacional corresponde a 85.70% e equivale a um registo de 13:30.96.

O anterior recorde nacional pertencia a Teresa Chiozza, com 18:06.32 em 2007. Kozell superou igualmente o recorde dos campeonatos de Ann Marie Rosenitsch, com 19:14.0 desde 2007.

Nos masculinos, os principais desempenhos foram conseguidos por David Swarts, atleta M50 dos E.U. América, a participar extra-campeonato, com 14:26.30 (83.44%, 12:36.72), por Jianping Xu, M50, o campeão nacional da categoria e representante do Dundas Valley, com 15:27.01 (77.98%, 13:29.75).

Os campeonatos estavam posicionados uma semana antes do Nacional previsto para Saint John, New Brunswick (14-15/3), evento entretanto cancelado pela crise do COVID-19. Igual cancelamento teve o Mundial de Atletismo para Veteranos marcado para o verão deste ano em Toronto, conforme noticiado no «O Marchador», aqui.

Classificações
3.000 m masculinos - marca final (age-grading)
M50
1.º, David Swarts, M54 (E.U. América - extra), 14:26.30 (12:36.72 - 83.44%)
2.º, Jianping Xu, M54 (Dundas Valley), 15:27.01 (13:29.75 - 77.98%)
3.º, George Maniatogiannis, M53 (Toronto RW), 19:58.59 (17:26.97 - 60.31%)
M55
1.º, Daniel O'Brien, M55 (Individual - extra), 16:40.42 (13:56.76 - 75.46%)
M60
Desclassificado: Janusz Tarnawski, M60 (Individual - extra).

3.000 m femininos - marca final (age-grading)
W45
1.ª, Blanka Smetana, W45 (Toronto RW), 18:35.68 (17:12.01 - 67.34%)
W55
1.ª, Katharine Cashman, W59 (Toronto RW), 18:35.32 (15:46.02 - 73.47%)
2.ª, Nicky Slovitt, W59 (Ontario Racewalk), 19:35.63 (16:37.17 - 69.70%)
W65
1.ª, Kris Kozell, W67 (Ontario Racewalk), 17:46.49 (13:30.96 - 85.70%)
2.ª, Anne De Thy, W66 (Ontario Racewalk), 19:24.55 (14:45.53 - 78.48%)

sexta-feira, 3 de abril de 2020

Campeonatos de Marcha da Bulgária, em Pomorie (resultados)

Os campeonatos da Bulgária em Pomorie em imagens várias, entre
as quais os vencedores Yordan Dimitrov (dorsal 2910) e Alten
Atanasova (230). Fotos: Município de Pomorie.
Montagem: O Marchador
Na bela cidade búlgara de Pomorie, na costa do Mar Negro, tiveram lugar os Campeonatos Nacionais de Marcha em Estrada (7/3), evento que contou com meia centena de participantes e foi organizado pela Federação de Atletismo da Bulgária, pelo Município de Pomorie, com a ilustre presença do seu presidente Ivan Alexiev, e ainda pelo Clube de Atletismo 2004 de Pomorie.

As principais provas foram disputadas na distância de 10 km e destinadas aos escalões de sub-20 e seniores femininos e de sub-18, sub-20 e seniores masculinos. Os sub-18 femininos competiram na distância dos 5 km.

No setor feminino, as três primeiras classificadas em termos absolutos foram atletas da categoria sub-20 e todas representando o SKLA Dobrudzha, com destaque para Alten Atanasova, a obter 57.45, seguida de Reni Hineva (1.01.51) e Mira Nikolova (1.03.20). Pouco depois desta entrava a primeira sénior, Maria Angelova (SK Mizija, 1.03.28). Em prova separada de 5 km sub-18, sagrou-se campeã Aleksandra Bekiarova, do SKLA Dobrudzha, com 29.28.

No setor masculino, o melhor foi o M50 Yordan Dimitrov, do SK Atletik 91 V. Tarnovo, com 56.09, seguido de Nikolay Shopov, M45 do KLA Spartak, com 57.23, e Atanas Atanasov, M45, do SK Atlet 2004, com 57.29, todos atletas veteranos a competirem como seniores. Os títulos individuais sub-20 e sub-18 foram alcançados por Teodor Kurtev (SKLA Shumen, 58.02) e Georgi Georgiev (SKLA Dobrudzha, 1.00.20), respetivamente.

Nos mais jovens, 2 km para a categoria sub-16, vitórias de Kristian Ivanov (11.33) e Iliyana Borisova (11.38), ambos do SHLA Shumen.

Colaboração: Kristina Saltanovic

Principais classificações
10.000 m femininos - geral
1.ª, Alten Atanasova, 2002 (SKLA Dobrudzha), 57.45 - 1.ª, sub-20
2.ª, Reni Hineva, 2002 (SKLA Dobrudzha), 1.01.51 - 2.ª, sub-20
3.ª, Mira Nikolova, 2002 (SKLA Dobrudzha), 1.03.20 - 3.ª, sub-20
4.ª, Maria Angelova, 1980 (SK Mizija), 1.03.28 - 1.ª, sénior
5.ª, Ivanina Petkova, 1997 (SKLA Shumen), 1.04.32 - 2.ª, sénior
6.ª, Stanislava Petrova, 1993 (SKLA Dobrudzha), 1.08.52 - 3.ª, sénior
7.ª, Viktorija Peneva, 2001 (SKLA Shumen), 1.09.23 - 4.ª, sub-20
8.ª, Yolina Atanasova, 1998 (SKLA Novi Pazar), 1.11.25 - 4.ª, sénior
9.ª, Petina Hristova, 2002 (SKLA Shumen), 1.12.25 - 5.ª, sub-20
10.ª, Yovka Niagolova, 1957 (SKLA Dobrudzha), 1.25.44 - 5.ª, sénior
Desistente: Maya Zhekova, 1994 (SK Atlet 2004) - sénior.

10.000 m masculinos - geral
1.º, Yordan Dimitrov, 1969 (SK Atletik 91), 56.09 - 1.º, sénior
2.º, Nikolay Shopov, 1973 (KLA Spartak), 57.23 - 2.º, sénior
3.º, Atanas Atanasov, 1972 (SK Atlet 2004), 57.29 - 3.º, sénior
4.º, Teodor Kurtev, 2001 (SKLA Shumen), 58.02 - 1.º, sub-20
5.º, Ivan Ivanov, 2003 (SKLA Dobrudzha), 58.33 - 2.º, sub-20
6.º, Petr Lalov, 1992 (SK Mizija), 1.00.03 - 4.º, sénior
7.º, Georgi Georgiev, 2003 (SKLA Dobrudzha), 1.00.20 - 1.º, sub-18
8.º, Erkan Zakir, 2004 (SKLA Shumen), 1.04.03 - 3.º, sub-20
9.º, Radoslav Svirecov, 2000 (SK Atlet 2004), 1.04.18 - 5.º, sénior
10.º, Stanislav Tanchev, 1975 (SKLA Dobrudzha), 1.05.19 - 6.º, sénior
11.º, Taliat Taliatov, 2002 (SKLA Dobrudzha), 1.05.47 - 4.º, sub-20
12.º, Petr Dimov, 2003 (SKLA Dobrudzha), 1.07.14 - 2.º, sub-18
13.º, Melih Mehmed, 2002 (SKLA Shumen), 1.09.50 - 5.º, sub-20
14.º, Cvetan Cviatkov, 2003 (SKLA Shumen), 1.10.06 - 3.º, sub-18
15.º, Nayden Petrov, 2003 (SKLA Shumen), 1.10.09 - 4.º, sub-18
Desistentes: Berke Ainur, 2002 (SKLA Shumen) - sub-20 e Edis Ihsan, 2000 (SKLA Shumen) - sénior.
Desclassificado: Stanimir Cvetkov, 1988 (SK Mizija) - sénior.

quinta-feira, 2 de abril de 2020

Veteranos irlandeses nos nacionais indoor em Athlone (resultados)

Cerimónia de premiação feminina e foto de família dos
participantes masculinos da marcha em Athlone.
Fotos: Justin Lane e Monaghan Phoenix AC
Montagem: O Marchador
A pista coberta de Athlone recebeu os Campeonatos da Irlanda de Atletismo para Veteranos (8/3), com as provas de 3.000 metros marcha para masculinos e femininos a terem como vencedores absolutos Ross Alexander, M35, do Coolquill A.C., com 15:03.62, e Maggie Helen O`Connor,W45, do St. Joseph's A.C., com 16:11.56, atletas que na véspera já tinham tomado parte nos nacionais de estrada em Raheny (St. Anne’s Park), ele nos 10 km e ela nos 20 km.

Nos masculinos, com 13 participantes, os segundo e terceiro classificados na meta foram Patrick Murphy, M55 (Castleisland A.C., 15:16.16) e, 2 centésimos de segundo depois, Colm Walsh, M40 (Mullingar Harriers A.C., 15:16.18). Nos femininos, com 6 atletas, os mesmo lugares da geral foram ocupados por Rachel Conlon, W35 (Calry A.C., 16:33.88) e Brid Lawlor, W60 (St. Joseph's A.C., 19:59.19).

Uma nota para o concorrente mais idoso, da categoria M85, Con Hearty (Dundrum South Dublin A.C.), oitavo na geral, com 20:24.96.

Classificações
3.000 m masculinos - geral/escalão
1.º, Ross Alexander (Coolquill A.C.), 15:03.62 - 1.º, M35
2.º, Patrick Murphy (Castleisland A.C.), 15:16.16 - 1.º, M55
3.º, Colm Walsh (Mullingar Harriers A.C.), 15:16.18 - 1.º, M40
4.º, John Joe Lawlor (St. Joseph's A.C.), 17:46.70 - 1.º, M50
5.º, Sean Mcmullin (Mullingar Harriers A.C.), 17:47.71 - 1.º, M70
6.º, Michael O`Connor (Farranfore Maine Valley A.C.), 19:10.09 - 2.º, M70
7.º, John Laste (Clonmel A.C.), 19:10.80 - 2.º, M55
8.º, Con Hearty (Dundrum South Dublin A.C.), 20:24.96 - 1.º, M85
9.º, David Kissane (St. Brendan's A.), 21:32.51 - 1.º, M65
10.º, Martin O Brien (Templemore A.C.), 21:57.90 - 1.º, M60
11.º, Danny Sharkey (Letterkenny A.C.), 22:24.48 - 2.º, M60
12.º, Macartan Kieran (Monaghan Phoenix A.C.), 22:57.30 - 2.º, M65
Desclassificado: Eamonn Gahan (Lusk A.C.) - M40.

3.000 m femininos - geral/escalão
1.ª, Maggie Helen O`Connor (St. Joseph's A.C.), 16:11.56 - 1.ª, W45
2.ª, Rachel Conlon (Calry A.C.), 16:33.88 - 1.ª, W35
3.ª, Brid Lawlor (St. Joseph's A.C.), 19:59.19 - 1.ª, W60
4.ª, Colette Brennan (St Abbans A.C.), 20:44.94 - 1.ª, W55
5.ª, Anne Gormley (Donore Harriers), 22:10.53 - 2.ª, W55
6.ª, Tracey Malone (St. Joseph's A.C.), 23:22.18 - 1.ª, W40

quarta-feira, 1 de abril de 2020

Cancelados os Campeonatos do Japão de 50 km marcha, em Wajima

O cartaz do evento previsto para este ano e Hirooki Arai felicitado
pelo presidente da Câmara de Wajima na edição de 2015.
Fotos (arquivo): Wajima Omiyage
Montagem: O Marchador
Seguindo uma tendência generalizada por todo o mundo de cancelamentos ou adiamentos de eventos desportivos, esta prova no Japão, que já havia sofrido modificações no programa-horário nomeadamente com o corte nas provas destinadas aos juniores (10 km) e outros escalões jovens (3 e 5 km), não fugiu à regra.

Os motivos invocados pela organização do evento para o cancelamento dos campeonatos prendem-se, naturalmente, com a necessidade de conter a propagação do Coronavírus CODIV-19, prova para a qual seria selecionado um atleta para os Jogos Olímpicos e à qual estavam convidados a atuar vários juízes estrangeiros, alguns do continente europeu que, por sua vez, se viram na necessidade de declinar a participação atendendo às restrições de viagens no espaço aéreo para fora do continente europeu.

A 104.ª edição dos campeonatos, que estavam agendados para 12 de abril próximo, seriam realizados, uma vez mais, em Wajima, na Prefeitura de Ishikawa, nos termos de um contrato estabelecido entre as autoridades locais e a Federação Japonesa de Atletismo, em vigência há mais de trinta anos.

Nas últimas três grandes competições internacionais sempre houve atletas japoneses no pódio dos 50 km marcha, nos Jogos Olímpicos de 2016 (Rio de Janeiro) com a medalha de bronze alcançada por Hirooki Arai, nos Mundiais de Atletismo de 2017 (Londres) por Hirooki Arai (prata) e Kai Kobayashi (bronze) e nos Mundiais de 2019 (Doha) a medalha de ouro por Yusuke Suzuki.

Indicamos, a seguir, os nomes e marcas dos campeões japoneses dos 50 km marcha nos últimos quinze anos:

2005 - Yuki Yamazaki (3:50:39)
2006 - Yuki Yamazaki (3:43:38)
2007 - Yuki Yamazaki (3:47:40)
2008 - Yuki Yamazaki 3:41:55
2009 - Yuki Yamazaki 3:40:12
2010 - Yuki Yamazaki 3:46:56
2011 - Koichiro Morioka (3:44:45)
2012 - Yuki Yamazaki (3:41:47)
2013 - Takayuki Tanii (3:44:25)
2014 - Takayuki Tanii (3:41:32)
2015 - Hirooki Arai (3:40:20)
2016 - Takayuki Tanii (3:44:12)
2017 - Hirooki Arai (3:47:18)
2018 - Tomohiro Noda (3:45:56)
2019 - Yusuke Suzuki (3:39:07)

Colaboração: Tomoya Ishii

terça-feira, 31 de março de 2020

O regresso de Kovalenko após 3 anos de suspensão por doping

Nazar Kovalenko este mês nos 20 km de Ivano-Frankivsk.
Foto: Nataliia Chopova photographer
Os Campeonatos da Ucrânia no passado dia 14/3 em Ivano-Frankivsk marcaram o regresso às lides competitivas de Nazar Kovalenko (3.º nos 20 km, com 1:21:55), atleta de 31 anos de idade, que apenas uns dias antes, a 8/3, terminara um período de suspensão de 3 anos por dopagem, com base em anomalias no seu passaporte biológico a 11/5/2012.

O castigo aplicado a Kovalenko, e já cumprido por este, apenas ontem (30/3) constou da informação periodicamente divulgada pela Unidade de Integridade do Atletismo da World Athletics, indicando-se ainda que foram anulados os resultados obtidos pelo atleta nas provas em que participou no período de 11 de maio de 2012 a 17 de maio de 2015.

O período de anulação de resultados atrás referido abrange, entre outros, os seguintes eventos internacionais (sempre em 20 km): 2012, Taça do Mundo de Saransk (6.º), Jogos Olímpicos de Londres (27.º); 2013, Taça da Europa de Dudince (22.º), Universíadas de Kazan (10.º); 2014: Taça do Mundo de Taicang (10.º), Campeonato da Europa de Zurique (14.º); 2015, Taça da Europa de Múrcia (18.º). Neste último caso, e em termos coletivos, resulta que a Ucrânia perderá para a Espanha a terceira posição do pódio nos 20 km masculinos.

segunda-feira, 30 de março de 2020

Jogos Olímpicos de Tóquio começam a 23 de julho de 2021

Imagens: IOC e Getty Images. Montagem: O Marchador
A decisão oficial, anunciada no dia de hoje, foi rapidamente tomada após o anúncio do adiamento dos Jogos Olímpicos de Tóquio e, praticamente, as datas mantêm-se, com a inauguração das olimpíadas marcada para o dia 23 de julho de 2021, um dia após a data estabelecida para este ano a fim de coincidir com uma sexta-feira, e o fecho para 8 de agosto. Os Jogos Paralímpicos terão lugar entre os dias 24 de agosto e 5 de setembro.

A decisão, apoiada pelas federações desportivas internacionais e pelos Comités Olímpicos Nacionais teve por base três premissas fundamentais: a proteção da saúde dos atletas e de todos os que estão envolvidos no evento e necessidade de haver mais tempo para a contenção da pandemia causada pelo vírus Codiv-19; a salvaguarda do interesse de atletas e do desporto olímpico; a conciliação com os diversos calendários internacionais das modalidades olímpicas.

Naturalmente, é previsível que as provas da marcha e da maratona mantenham a sua realização para Sapporo, cidade localizada a norte do país e em que os efeitos do calor não se façam sentir de forma tão radical.

Em consequência das medidas anunciadas pelo Comité Olímpico Internacional (COI), em articulação com o Comité Paralímpico Internacional (IPC), o Governo do Japão, a Prefeitura de Tóquio e o Comité Organizador dos Jogos, a World Athletics adiantou que os Mundiais de Atletismo, programados para terem lugar este ano, de 6 a 15 de agosto, em Eugene, no estado norte-americano de Oregon, serão disputados em 2022, diremos que provavelmente entre os dias 5 a 14 de agosto. O atletismo terá, assim, quatro grandes eventos internacionais em anos consecutivos: Jogos 2021, Mundiais 2022, Mundiais Budapeste 2023, Jogos Paris 2024.

Os custos estimados para a reprogramação dos Jogos poderão ascender a qualquer coisa como 3.500 milhões de euros.

domingo, 29 de março de 2020

No aniversário de César Moreno

Cesar Moreno Bravo em dia de aniversário.
Foto: Libertad de Expresión Yucatán. Imagens: VectorStock
Montagem: O Marchador
No dia de hoje em que César Moreno Bravo, membro honorário da World Athletics, completa 86 primaveras, a equipa de “O Marchador” endereça-lhe os PARABÉNS!

Durante vários anos integrou o Conselho Executivo da IAAF (hoje World Athletics) para o qual ingressou em 1991, tendo ainda exercido funções de presidência no Comité de Masters da estrutura da WA e integrado vários grupos de trabalho no âmbito do atletismo e, em algumas ocasiões, no estudo das melhores opções com vista ao desenvolvimento e ao sucesso da marcha atlética a nível mundial.

Antigo atleta, especialista em 400 metros, César Moreno desempenhou funções diretivas no Instituto Nacional de Educação Física do México e foi presidente da Federação Mexicana de Atletismo no período de 1983 a 1988. De referir ainda que Moreno foi diretor-técnico do atletismo nos Jogos Olímpicos de 1968, realizados na Cidade do México, evento onde pela primeira vez as provas de atletismo realizaram-se em pista sintética, registando-se várias outras inovações de natureza técnica.

Delegado técnico em várias competições organizadas pela IAAF/WA, dos quais nos lembramos de algumas como dos Jogos Olímpicos de Atenas (2004) e de Pequim (2008) mas também dos Mundiais de Juniores que tiveram lugar em Lisboa, no ano de 1994, fica aqui registado - invariavelmente, a sua enorme capacidade técnica mas, acima de tudo, a figura de grande dimensão humana e de trato afável e atencioso.

Felicidades, César Moreno!

sábado, 28 de março de 2020

Jovens marchadores em evidência na Austrália do Sul

Tristan Camilleri. Foto: Athletics South Australia
Montagem: O Marchador
Em Mile End, um subúrbio da cidade de Adelaide, no Estado da Austrália do Sul (em inglês, South Australia), realizaram provas de marcha em pista (3.000 metros e 5.000 metros) a contar para o evento designado por «Athletics SA Interclub Final», realizado em 13 de março último.

Nos 3.000 metros, destaque para Tristan Camilleri, atleta sub-20 que venceu com um recorde pessoal de 12:07.74, marca que passa a constituir um novo recorde da categoria no Estado da Austrália do Sul.

Camilleri melhorou em 10 segundos o seu recorde pessoal (12:17.13) de 22 de fevereiro, num ano de 2020 que promete (ou que prometia, pelos muitos cancelamentos de eventos) face a outras registos já conseguidos, nomeadamente 20:59.16 nos 5.000 metros (28 fevereiro) e 44:17.88 nos 10.000 metros (1 março).

Apesar de não terem sido muitos os participantes, de notar a valia de outras marcas obtidas na prova de 3.000 metros da parte do sub-16 Toby Wilks, com 13:28.00, e da sub-18 Olivia Sandery, com 13:39.46, recorde pessoal. Nos 5.000 metros, venceu o sub-23 Alix Harlington, com 23:53.36.

Classificações
3.000 m masculinos/femininos
1. Tristan Camilleri, 2001 (CD), 12:07.74 - sub-20
2. Toby Wilks, 2005 (PEM), 13:28.00 - sub-16
3. Olivia Sandery, 2003 (PEM), 13:39.46 - sub-18 fem.
4. Richard Everson, 1963 (MAS), 15:56.19 - M55

5.000 m masculinos
1. Alix Harlington, 1999 (ND), 23:53.36 - sub-23
2. Ross Hill-Brown, 1955 (FLIN), 40:28.42 - M60

sexta-feira, 27 de março de 2020

Rússia disputou em Penza os Campeonatos de Veteranos de Pista Coberta (resultados)

Marchadores nos campeonatos de pista coberta em Penza, Rússia.
Fotos: Elena Plehanova, Sergey Systerev e Viacheslav
Degtiarenko. Montagem: O Marchador
Numa ocasião em que as competições russas de atletismo estão igualmente canceladas ou adiadas por força da situação do COVID-19, recuperamos os Campeonatos Nacionais de Atletismo de Pista Coberta disputados em Penza no fim de semana 14/15 de março.

O programa do evento contemplou provas de marcha atlética, sobre 3.000 metros no sábado (14/3) e 5.000 metros no domingo (15/3), tendo contado com a participação de 34 atletas (22 masculinos e 12 femininos) em representação de 16 equipas.

Nos 3.000 metros, os mais rápidos foram, nos masculinos, o M45 Viacheslav Degtiarenko, com 14:09,6, e os M50 Dmitriy Kuznecov, com 14:34.7, e Ivan Nechaev, com 15:09.1, e nos femininos, a W50 Zinaida Terpeeva, com 16:01.0, separada apenas 2 segundos da W55 Nataliya Terentjeva, com 16:03.0, e Nataliya Strizhakova, também W55, com 18:24.2.

Já no que diz respeito às marcas mais valiosas pela tabela internacional de graduação por idades, estas foram conseguidas pelo M70 Viktor Semenov, com 89,61 % para a marca de 16:19.8, e pela W55 Nataliya Terentjeva, com significativos 92,00 % (16:03.0).

Nos 5.000 metros, nos masculinos, Degtiarenko (M45, 24:22.3), Kuznecov (M55, 25:08.7) e Nechaev (M55, 26:43.0) continuaram a ser os mais rápidos, enquanto nos femininos, as duas primeiras posições foram mantidas por Terpeeva (W50, 27:47.7) e Terentjeva (W55, 27:52.9), mas a terceira meta foi Elena Plechanova (W40, 31:58.5).

Na valia de marcas alcançadas, as maiores percentagens foram de novo obtidas pelo M70 Viktor Semenov, com 87,71 % (27:52.9) e W55 Nataliya Terentjeva, com 91,40 % (27:52.9).

Colaboração: Kristina Saltanovic

Classificações
1.º dia - 14/3
3.000 m masculinos (marca e % tab.grad.)
M45
1.º, Viacheslav Degtiarenko, 1971 (Moskva), 14:09,6 - 84,16 %
2.º, Vitaliy Maiorov, 1971 (Moskva), 20:17.2 - 58,74 %
M50
1.º, Dmitriy Kuznecov, 1966 (Moskovskaya), 14:34.7 - 85,86 %
2.º, Ivan Nechaev, 1966 (Moskva), 15:09.1 - 85,25 %
3.º, Mihail Spiriagin, 1966 (Penzenskaya), 20:07.8 - 64,17 %
M55
1.º, Halit Muhtasarov, 1963 (Permskiy), 16:05.1 - 79,89 %
2.º, Konstantin Semerikov, 1961 (Kemerovskaya), 17:26.7 - 74,33 %
3.º, Igor Menshenin, 1964 (Cheliabinskaya), 20:19.6 - 62,07 %
M60
1.º, Sergey Systerev, 1958 (Permskiy), 15:38.4 - 85,25 %
2.º, Sergey Lyzhin, 1955 (Arhangelskaya), 17:22.6 - 79,03 %
M65
1.º, Vladislav Shipov, 1950 (Moskva), 18:32.0 - 78,15 %
2.º, Sergey Shirokov, 1951 (Permskiy), 18:36.1 - 77,86 %
3.º, Vitaliy Grinenko, 1951 (Moskovskaya), 18:36.4 - 76,94 %
4.º, Anatoliy Kochetkov, 1951 (Penzenskaya), 18:44.1 - 76,42 %
5.º, Vladimir Gordeev, 1953 (Chuvashiya), 19:53.2 - 70,48 %
6.º, Viktor Artemov, 1955 (Nizhegorodskaya), 21_56.6 - 63,19 %
M70
1.º, Viktor Semenov, 1949 (Chuvashiya), 16:19.8 - 89,61 %
2.º, Anatoliy Bozhko, 1949 (Voronezhskaya), 18:30.5 - 79,06 %
3.º, Aleksandr Toropov , 1947 (Kirovskaya), 18:35.8 - 80,57 %
M80
1.º, Gennadiy Chernov, 1937 (Kareliya ), 21:12.0 - 80,58 %

3.000 m femininos (marca e % tab.grad.)
W40
1.ª, Elena Plechanova, 1978 (Moskovskaya), 18:29.8 - 68,21 %
2.ª, Polina Novikova, 1978 (Moskva), 19:13.4 - 66,15 %
W50
1.ª, Zinaida Terpeeva, 1965 (Moskva), 16:01.0 - 87,83 %
W55
1.ª, Nataliya Terentjeva, 1961 (Moskovskaya), 16:03.0 - 92,00 %
2.ª, Nataliya Strizhakova, 1963 (Voronezhskaya), 18:24.2 - 77,88 %
3.ª, Nadezhda Lavrentjeva , 1964 (Chuvashskaya), 19:01.0 - 74,67 %
W60
1.ª, Nina Boltakaeva, 1959 (Samarskaya), 19:41.3 - 75,76 %
W65
1.ª, Svetlana Perovskaya, 1950 (Leningradskaya), 21:16.5 - 77,48 %
2.ª, Vera Avilova, 1952 (Samarskaya), 21:43.5 - 74,11 %
3.ª, Vera Trushkina, 1950 (Moskva), 22:17.0 - 73,97 %
W70
1.ª, Liudmila Mihutkina, 1948 (Chuvashiya), 21:19.2 - 80,21 %
W75
1.ª, Tamara Fedotova, 1941 (Permskiy), 25.39.7 - 72,35 %

«««««»»»»

2.º dia - 15/3
5.000 m masculinos (marca e % tab.grad.)
M45
1.º, Viacheslav Degtiarenko, 1971 (Moskva), 24:22.3 - 84,39 %
M50
1.º, Dmitriy Kuznecov, 1966 (Moskovskaya), 25:08.7 - 85,90 %
2.º, Ivan Nechaev, 1966 (Moskva), 26:43.0 - 80,16 %
3.º, Mihail Spiriagin, 1966 (Penzenskaya), 34:36.3 - 61,89 %
M55
1.º, Halit Muhtasarov, 1963 (Permskiy), 28:10.0 - 78,7 %
2.º, Konstantin Semerikov, 1961 (Kemerovskaya), 30:07.0 - 74,24 %
3.º, Igor Menshenin, 1964 (Cheliabinskaya), 36:13.0 - 60,15 %
M60
1.º, Sergey Systerev, 1958 (Permskiy), 27:07.8 - 84,78 %
2.º, Sergey Lyzhin, 1955 (Arhangelskaya), 30:13.0 - 78,43 %
M65
1.º, Vladislav Shipov, 1950 (Moskva), 32:38.3 - 76,49 %
2.º, Anatoliy Kochetkov, 1951 (Penzenskaya), 32:38.8 - 75,66 %
3.º, Vitaliy Grinenko, 1951 (Moskovskaya), 32:41.7 - 75,55 %
4.º, Vladimir Gordeev, 1953 (Chuvashiya), 34:08.3 - 70,84 %
M70
1.º, Viktor Semenov, 1949 (Chuvashiya), 28:45.4 - 87,81 %
2.º, Aleksandr Toropov , 1947 (Kirovskaya), 33:34.7 - 76,93 %
3.º, Oleg Neumolotov, 1948 (Voronezhskaya), 36:30.8 - 69,15 %
Desistente: Viaccheslav Menshikov, 1945 (Murmanskaya).
M80
1.º, Gennadiy Chernov, 1937 (Kareliya ), 36:46.0 - 80,15 %

5.000 m femininos (marca e % tab.grad.)
W40
1.ª, Elena Plechanova, 1978 (Moskovskaya), 31:58.5 - 68,13 %
W50
1.ª, Zinaida Terpeeva, 1965 (Moskva), 27:47.7 - 87,37 %
W55
1.ª, Nataliya Terentjeva, 1961 (Moskovskaya), 27:52.9 - 91,4 %
2.ª, Nadezhda Lavrentjeva , 1964 (Chuvashskaya), 33:37.3 - 72,92 %
W60
1.ª, Nina Boltakaeva, 1959 (Samarskaya), 33:53.5 - 75,93 %
W65
1.ª, Svetlana Perovskaya, 1950 (Leningradskaya), 36:05.6 - 78,82 %
2.ª, Vera Avilova, 1952 (Samarskaya), 36:20.8 - 76,44 %
3.ª, Vera Trushkina, 1950 (Moskva), 38:25.8 - 74,03 %
W70
1.ª, Liudmila Mihutkina, 1948 (Chuvashskaya), 37:32.9 - 78,61 %
W75
1.ª, Tamara Fedotova, 1941 (Permskiy), 44:06.2 - 72,63 %

quinta-feira, 26 de março de 2020

Dan Nehnevaj e Anali Cisneros vencem NAIA Indoor 2020

Cerimónias de premiação da marcha nos campeonatos indoor
NAIA 2020. Fotos: fb High School Race Walking
Montagem: O Marchador
Dan Nehnevaj, da Divisão de Tecnologia da Universidade de West Virginia, e Anali Cisneros, da Universidade de Judson (Elgin, IL), sagraram-se vencedores das provas de 3.000 metros marcha dos Campeonatos NAIA (National Association of Intercollegiate Athletics) em pista coberta, realizados de 5 a 7 de Março no Complexo Desportivo Sanford Jackrabbit, em Brookings, South Dakota, nos Estados Unidos da América.

Nos masculinos, Nehnevaj, com 12:09.95 melhorou de forma significativa o seu recorde pessoal, ele que na edição do ano passado, e no mesmo local, fora apenas sexto classificado, então com 13:38.25. Os segundo e terceiro classificados foram Steven Smith, atleta sub-20 e colega de Nehnevaj, que repetiu a classificação de 2019, agora com 12:16.25, e Sam Elmi, da Universidade de Cornerstone, com 12:45.09. Participaram 10 atletas, com 5 deles a efetuarem marcas na casa dos 12 minutos.

Nos femininos, Cisneros, que obteve o seu terceiro título NAIA consecutivo, bateu o recorde nacional NAIA com a marca de 13:38.07, superando o anterior registo (13:49,84) na posse de Natalia Alfonso (Missouri Baptist) desde 2018. Os lugares imediatos foram ocupados por Maria Alarcon, também da Universidade de Judson, com 14:47.63, que ascendeu à segunda posição depois de ter sido terceira em 2019, e por Lila Dreves, da Universidade MidAmerica Nazarene, com 14:51.93. Foram 16 as atletas que alinharam à partida.

Classificações
3.000 m masculinos
1.º, Dan Nehnevaj (WVU Tech), 12:09.95
2.º, Steven Smith (WVU Tech), 12:16.25
3.º, Sam Elmi (Cornerstone), 12:45.09
4.º, Bricyn Healey (Olivet Nazarene), 12:49.43
5.º, Jordan Crawford (Missouri Baptist), 12:53.56
6.º, Dean Freitag (Rio Grande), 13:28.69
7.º, Ben Hofstra (Cornerstone), 13:42.86
8.º, Carson Johnson (Cumberlands), 13:47.61
9.º, Jadon Davis (Friends), 14:16.04
10.º, Jason Nalley (Columbia Int'l), 15:09.87

3.000 m femininos
1.ª, Anali Cisneros (Judson), 13:38.07
2.ª, Maria Alarcon (Judson), 14:47.63
3.ª, Lila Dreves (MidAmerica Nazarene), 14:51.93
4.ª, Siana Emery (Goshen), 15:02.96
5.ª, Kayla Allen (Friends), 15:08.44
6.ª, Victoria Heiser-Whatley (Columbia - S.C.), 15:10.00
7.ª, Jolene Jenson (Friends), 15:19.23
8.ª, Nayeli Cisneros (Judson), 15:26.00
9.ª, Jessica Heiser-Whatley (Columbia - S.C.), 15:55.89
10.ª, Mikayla Kambeitz (MidAmerica Nazarene), 16:13.79
11.ª, Moira Burgess (Friends), 16:39.74
12.ª, D'Amaie Davis (Cornerstone), 17:22.57
13.ª, Shelby Winn (Columbia - S.C.), 17:23.64
14.ª, Hayley Bickford (Goshen), 17:26.79
15.ª, Elizabeth Larsen (Concordia - Mich.), 17:37.92
Desclassificada: Kelsey Billingsley (Cornerstone).