domingo, 26 de fevereiro de 2017

Campeonatos da Polónia de pista coberta em Torun (resultados)

Grzegorz Sudoł, com a medalha de bronze agora recebida dos mundiais
de Berlim-2009, e os pódios masculino e feminino dos campeonatos.
Fotos: KU AZS UMCS Lublin e Małopolski Związek Lekkiej Atletyki
Montagem: O Marchador
Dawid Tomala e Katarzyna Golba são os campeões polacos de pista coberta de 2017, títulos obtidos no decorrer dos campeonatos nacionais de atletismo realizados em 61.ª edição em Torun (18 e 19 de Fevereiro).

Tomala, marchador do AZS-AWF Katowice, obteve 19.35,68 nos 5.000 metros, com parciais em cada 1.000 metros de 3.51,50, 3.54,88, 3.57,18 (11.43,56 aos 3.000 m), 3.58,60 e 3.53,52. Rafał Augustyn (LKS Stal Mielec, 19.44,78) e Rafał Fedaczynski (AZS UMCS Lublin, 20.38,24) foram os restantes atletas chegados, completando assim o pódio.

Golba, colega de clube de Tomala, venceu de forma folgada com 13.17,82 aos 3.000 metros, registando parciais de 4.27,49, 4.23,74 e 4.26,59. Asseguraram os segundo e terceiros lugares, Agnieszka Ellward (WKS Flota Gdynia, 13.48,96) e Joanna Bemowska (AZS UMCS Lublin, 13.54,63).

Os recordes nacionais absolutos continuam a resistir desde a década de 90, quando Robert Korzeniowski foi cronometrado em 18.32,09 (Katowice-1993) e Katarzyna Radtke em 12.17,17 (Gdansk-1994).

A oportunidade do evento proporcionou a Grzegorz Sudoł, já retirado da competição e actual treinador dos campeões Tomala e Golba, um momento especial ao receber a medalha de bronze dos 50 km marcha dos Campeonatos do Mundo de Berlim-2009 (terminara a prova na 4.ª posição), por força da desclassificação do russo Sergei Kirdyapkin. Tardou mas foi feita justiça.

Colaboração: Kristina Saltanovic

Classificações
5.000 m masculinos
1.º, Dawid Tomala, 1989 (AZS-AWF Katowice), 19.35,68
2.º, Rafał Augustyn, 1984 (LKS Stal Mielec), 19.44,78
3.º, Rafał Fedaczynski, 1980 (AZS UMCS Lublin), 20.38,24

3.000 m femininos
1.ª, Katarzyna Golba, 1989 (AZS-AWF Katowice), 13.17,82
2.ª, Agnieszka Ellward, 1989 (WKS Flota Gdynia), 13.48,96
3.ª, Joanna Bemowska, 1994 (AZS UMCS Lublin), 13.54,63
4.ª, Agata Kowalska, 1998 (KKL Rodło Kwidzyn), 14.11,33
Desclassificada: Katarzyna Zdzieblo, 1996 (LKS Stal Mielec).
Desistente: Monika Kapera, 1990 (AZS-AWF Katowice).

sábado, 25 de fevereiro de 2017

Campeonatos de Aveiro e do Porto em São João da Madeira

Zona Industrial das Travessas, em São João da Madeira.
Foto: Vikimedia Commons. Montagem: O Marchador
Terá lugar no dia de amanhã (domingo, 26) mais uma edição dos campeonatos distritais de marcha atlética de Aveiro e do Porto, desta vez e seguindo a tradicional rotatividade entre estas duas Associações, o local escolhido é a cidade de São João da Madeira num circuito que igualmente contemplará os campeonatos nacionais de marcha, agendados para sábado próximo.

A competição será disputada na Zona Industrial das Travessas, junto ao Pavilhão, a partir das 9:30 horas, num circuito de 1.000 metros e é organizada pela Associação de Atletismo de Aveiro e pelos Serviços Sociais dos Trabalhadores do Município de S. João da Madeira destinando aos escalões etários de benjamins a veteranos, masculinos e femininos, os mais pequenos na distância de 1 km e os seniores na distância de 15 km (eles) e de 10 km (elas).

O evento constituirá um teste para os campeonatos nacionais de marcha “vendo o que pode falhar agora para se corrigir depois” diz Alberto Batista que foi quem teve a ideia de os trazer para a região que é conhecida pelo calçado e que até tem um Museu dedicado a sapatos, sapatilhas e sandálias.

Não é a primeira vez que São João da Madeira recebe uns nacionais de marcha. Em 2003, numa das principais artérias da cidade, Pedro Martins sagrava-se campeão nacional dos 50 km marcha (este ano realizados separadamente) pela sexta vez consecutiva enquanto nos 20 km femininos Susana Feitor conquistava o seu sétimo título, mantendo ambos, ainda nos dias de hoje, a posição dominante quanto a títulos alcançados no historial da competição.

 “O piso é plano, em linha reta e apresenta condições para a realização de boas marcas”, sublinha Batista, realçando a boa localização da competição apesar de se ter equacionado a hipótese de os fazer para o centro da cidade que, entretanto, cresceu muito em termos populacionais e o trânsito a cortar seria um problema. Que talvez a Federação Portuguesa de Atletismo pudesse ter feito mais em termos financeiros, ficando assim o apoio monetário concentrado quase exclusivamente na Câmara Municipal que atribui um subsídio de 5.000 euros à competição do dia 4 além de colocar todos os meios logísticos e humanos exigíveis a um evento desta natureza.

Para os distritais espera-se uma boa participação do clube filiado na Associação de Atletismo de Aveiro, os “Serviços Sociais” que contam com cerca de 200 atletas a praticar o atletismo. E o seu principal impulsionador é esse mesmo - Alberto Batista, funcionário da autarquia e treinador de atletismo desde 2002. Recentemente foi homenageado e distinguido com o prémio “António Leitão” em reconhecimento pelo trabalho realizado em prol do atletismo aveirense. Maria Alice Fernandes, que foi medalhada em vários europeus e mundiais de veteranos dá apoio ao projeto.

Regulamento e programa-horário, aqui.

Pombal fecha época de pista coberta com os Nacionais de Sub-23

Fotos: AA Braga e FPA. Montagem: O Marchador
O Pavilhão da Expocentro, em Pombal, vai receber este fim-de-semana os décimos terceiros Campeonatos Nacionais de Esperanças (Sub-23) em pista coberta, uma organização da Federação Portuguesa de Atletismo, em parceria com a Associação Distrital de Atletismo de Leiria, e que conta com o habitual apoio do Município de Pombal.

As provas de marcha serão realizadas na tarde de hoje (sábado), os 5.000 metros masculinos às 16:45 horas (confirmações até às 16:00 horas), e os 3.000 metros femininos às 18:00 horas (confirmações até às 17:15 horas). Os acessíveis mínimos de participação são de 25.00,00, nos 5000 m masculinos, e de 16.00,00, nos 3000m femininos. São 7 os participantes na competição masculina, e 8 os que concorrem à prova feminina.

Na prova masculina o benfiquista Miguel Rodrigues, orientado tecnicamente por Jorge Miguel, é o principal favorito tendo como recorde pessoal o tempo de 20.56,84, marca conseguida na fase de apuramento de clubes da época passada em Pombal.

Na competição feminina Edna Barros, atleta do Clube Oriental de Pechão treinada por Paulo Murta, é a grande favorita ao título com a sua marca de 13.04,60 a valer-lhe há 13 dias a medalha de prata nos Campeonatos de Portugal e a ficar muito próxima do seu recorde pessoal (13.00,47) obtido há um ano, também na pista de Pombal.

Os recordes nacionais “indoor” estão na posse de Sérgio Vieira (CN Rio Maior), com 19.29,97, marca obtida em Espinho-1998, e Susana Feitor (CN Rio Maior), com 12.21,7 que realizou Braga-1994.

Mais informações e lista de inscritos no «site» da FPA, aqui.

Campeonatos de pista coberta da Bielorrússia em Mogilev (resultados)

As provas de 10.000 m marcha na pista coberta de Mogilev.
Fotos: Federação de Atletismo da Bielorrússia.
Montagem: O Marchador
Aleksandr Liakhovich, de Grodnenska, e Viktoryia Rashchupkina, de Brestskaya, sagraram-se campeões nacionais de marcha da Bielorrússia em pista coberta, ao vencerem as provas de 10.000 metros realizadas, sábado (dia 18), em Mogilev, cidade do leste do país a cerca de 80 km com a fronteira russa.

Na prova masculina, Liakhovich, com 39.40,97, estabeleceu um novo recorde pessoal, superando a marca que detém em pista ao ar livre (39.45.25 em Minsk-2015). Dmitriy Dziubin (41.01,08) e Yauheni Zalesski (41.22,21) asseguraram a subida ao pódio no evento.

Na prova feminina, Rashchupkina, com 45.26,82, bateu por larga margem a sua melhor marca na distância (47.00,00 em pista ao ar livre, Brest-2015). As restantes posições com direito a medalhas foram conseguidas por Anastasiya Rodzkina (46.21,44) e Nadezhda Dorozhuk (48.36,27).

Colaboração: Kristina Saltanovic

Classificações
10.000 m masculinos
1.º, Aleksandr Liakhovich (1989), 39.40,97
2.º, Dmitriy Dziubin (1990), 41.01,08
3.º, Yauheni Zalesski (1993), 41.22,21
4.º, Vladimir Kolyesnik (1992), 41.39,01
5.º, Dmitriy Lukyanchuk (1997), 42.01,39
6.º, Stanislav Kuzmich (1998), 42.06,45
7.º, Anatoli Homeleu (1996), 42.25,61
Desistentes: Aleksandr Strizhenuk (1998), Ruslan Udodov (1999) e Vladislav Goushak (1998).

10.000 m femininos
1.ª, Viktoryia Rashchupkina (1995), 45.26,82
2.ª, Anastasiya Rodzkina (1994), 46.21,44
3.ª, Nadezhda Dorozhuk (1990), 48.36,27
4.ª, Natallia Malchanava (1997), 49.04,91
5.ª, Yuliya Balkovskaya (1996), 51.25,58
6.ª, Viktoryia Kazlova (1999), 53.50,90
7.ª, Viktoryia Yaloza (1998), 54.30,92

sexta-feira, 24 de fevereiro de 2017

Wright bate recorde da Irlanda (5.000 m) em pista coberta

Kate Veale e Alex Wright na pista coberta de Abbotstown.
Fotos: Colin Griffin e Kate Veale
Montagem: O Marchador
Ao obter a marca de 18.51,46 nos 5.000 metros marcha dos campeonatos nacionais da Irlanda realizados na pista coberta de Abbotstown (18 de Fevereiro), Alex Wright bateu o recorde nacional do seu país e que se encontrava na posse de Robert Heffernan, com 18.50,70, desde Belfast-2008.

Numa prova em que a superioridade do representante do Leevale Athletic Club foi por demais evidente, o pódio ficou completo com Cian Mcmanamon (Westport A.C., 20.06,21) e Brendan Boyce (Letterkenny A.C., 20.09,28).

Wright manifestou-se satisfeito com a forma como está a decorrer o início de época e anunciou para breve a realização de prova sobre 20 km na Suíça, visando o seu principal objectivo, os mundiais de Londres-2017.

Já na prova feminina de 3.000 metros, Kate Veale (West Waterford A.C.), com 14.03,90, teve de se aplicar para suplantar as suas adversárias, em particular Emma Prendiville (Farranfore Maine Valley A.C., 14.06,54) e Maeve Curley (Craughwell A.C., 14.18,26), segunda e terceira classificadas.

Veale mostrou-se muito feliz com o seu regresso à marcha e os primeiros passos que vem dando nesse sentido, desejando recuperar o tempo perdido.

Classificações
5.000 m masculinos
1.º, Alex Wright, 1990 (Leevale A.C.), 18.50,70
2.º, Cian Mcmanamon, 1991 (Westport A.C.), 20.06,21
3.º, Brendan Boyce, 1986 (Letterkenny A.C.), 20.09,28
4.º, Erick Jerome Caprice, 1983 (Dundrum South Dublin A.C.), 20.41,55
5.º, Anthony Tobin, 1997 (Clonmel A.C.), 23.15,55
6.º, Evan Lynch, 1995 (Clonmel A.C.), 23.15,75

3.000 m femininos
1.ª, Kate Veale, 1994 (West Waterford A.C.), 14.03,90
2.ª, Emma Prendiville, 1993 (Farranfore Maine Valley A.C.), 14.06,54
3.ª, Maeve Curley, 1992 (Craughwell A.C.), 14.18,26
4.ª, Veronica Burke, 1996 (Ballinasloe & District), 14.26,69
5.ª, Rachel Glennon, 1998 (Mullingar Harriers A.C.), 14.34,28
6.ª, Orlaith Delahunt, 1998 (Sligo A.C.), 15.27,61
7.ª, Ashling Heneghan, 1995 (Westport A.C.), 15.51,48
8.ª, Clíona Mulroy, 1994 (Swinford A.C.), 16.30,57
9.ª, Sinead Mcconnell, 1968 (Finn Valley A.C.), 16.36,76

Campeonatos russos de marcha em Sóchi (resultados)

As provas de 35 km e 20 km dos campeonatos da Rússia no
autódromo de Sóchi. Fotos: fb Irina Shubina
Montagem: O Marchador
Sóchi foi mais uma vez palco dos campeonatos russos da marcha atlética, nos dias 18 e 19 de Fevereiro. O autódromo da cidade, com excelente piso, não teve expectadores como tradicionalmente têm as provas de automobilismo, mas uma elevada participação da parte dos atletas, embora a Rússia continue suspensa pela IAAF e sem data prevista para voltar a participar em eventos internacionais.

Como vem sucedendo há várias décadas, dominaram os atletas da República da Mordóvia. Se bem que o seu centro de alto rendimento esteja oficialmente fechado, isso não impede, pelos vistos, que os atletas continuem a manter um alto nível de resultados.

Com todos os vencedores a queixarem-se do frio que se fazia sentir (entre 0 e 4 graus Celcius), o primeiro classificado nos 35 km foi Sergey Sharypov, com 2.27.07, a superar Dementiy Cheparev, segundo com 2.28.00, e o duplamente medalhado olímpico Denis Nizhegorodov, com 2.29.19, este que só nos últimos quilómetros consegui alcançar Roman Efstifeev, que seria o quarto classificado, com 2.31.58.

Nos 20 km masculinos as marcas foram de nível muito elevado face à evidente concorrência. A vitória absoluta sorriu ao sub-23 Sergey Shirobokov, já campeão da Rússia no verão passado, com 1.18.26, seguido de Sergey Bakulin, o primeiro sénior, com 1.18.51, e de Stanislav Emelyanov, com 1.19.48. Na casa da 1 hora e 20 minutos, concluíram ainda Petr Bogatyrev (1.20.49, 3.º sénior) e Aleksey Shevchuk (1.20.57, 2.º sub-23).

Nos femininos venceu Elena Lashmanova, campeã olímpica de Londres, atleta com percurso desportivo manchado por dopagem e ainda uma alegada participação em prova de pista coberta em Saransk durante o período de suspensão, situação que até agora não foi esclarecida tanto pela federação russa como pela IAAF. Lashmanova concluiu a prova em Sóchi com a marca de 1.25.18, com uma diferença de apenas a 4 segundos para a segunda classificada, Ekaterina Medvedeva (1.25.22). Sofia Brodackaya, com 1.26.27, foi a terceira classificada. Referência ainda para outras atletas abaixo da 1h 30 minutos, Tatiana Mineeva (1.28.32, 4.ª sénior), Klavdia Afanasjeva (1.29.29, 1.ª sub-23) e Olga Shargina (1.29.56, 2.ª sub-23).

As provas de domingo (dia 19) foram em pista e dedicadas aos mais jovens (sub-20 e sub-18) não se conhecendo resultados.

De notar que, devido à falta de juízes internacionais em número adequado, os resultados desta competição não contam como mínimos para eventuais participais internacionais, nem mesmo, devido à suspensão, para o ranking mundial da IAAF.

Colaboração: Kristina Saltanovic

Classificações
35 km seniores masculinos
1.º, Sergey Sharypov (1992), 2.27.07
2.º, Dementiy Cheparev (1992), 2.28.00
3.º, Denis Nizhegorodov (1980), 2.29.19
4.º, Roman Evstifeev (1992), 2.31.58
5.º, Vladimir Saksin (1995), 2.37.37
6.º, Aleksey Bolotin (1997), 2.39.16
7.º, Aleksey Terentiev (1991), 2.41.58
8.º, Viktor Sokolov (1994), 2.42.45
9.º, Anton Rodionov (1992), 2.44.12
10.º, Evgeniy Pantiushin (1996), 2.46.31
11.º, Sergey Avvakumenkov (1996), 2.50.57
12.º, Michail Timofeev (1991), 2.52.59
13.º, Vladimir Nikitin (1988), 2.55.55
14.º, Stanislav Serov (1996), 3.01.37
Desistente: Nikolay Ivanov (1993).

20 km seniores masculinos
1.º, Sergey Bakulin (1986), 1.18.51
2.º, Stanislav Emelyanov (1990), 1.19.48
3.º, Petr Bogatyrev (1991), 1.20.49
4.º, Kirill Frolov (1993), 1.21.43
5.º, Pavel Parshin (1994), 1.21.59
6.º, Alexey Golovin (1988), 1.23.16
7.º, Alexander Shunihin (1992), 1.24.34
8.º, Aleksandr Aysabakiev (1989), 1.26.32
9.º, Sergey Mazurin (1993), 1.27.56
10.º, Aleksandr Nikitin (1988), 1.31.15

20 km seniores femininos
1.ª, Elena Lashmanova (1992), 1.25.18
2.ª, Ekaterina Medvedeva (1994), 1.25.22
3.ª, Sofia Brodatskaya (1994), 1.26.27
4.ª, Tatiana Mineeva (1990), 1.28.32
5.ª, Nadezhda Sergeeva (1994), 1.31.48
6.ª, Kristina Mikhailova (1992), 1.34.40
Desistente: Anastasia Shchegoleva (1993).

20 km sub-23 masculinos
1.º, Sergey Shirobokov (1999), 1.18.26
2.º, Aleksey Shevchuk (1997), 1.20.57
3.º, Timofey Parkaev (1997), 1.21.32
4.º, Vladislav Saraykin (1997), 1.22.09
5.º, Ivan Kakaev (1997), 1.22.18
6.º, Nikolay Markov (1995), 1.23.29
7.º, Kirill Shutov (1997), 1.23.31
8.º, Aleksey Kudashkin (1997), 1.24.05
9.º, Maxim Vahrushev (1996), 1.24.13
10.º, Andrey Mercalov (1998), 1.24.55
11.º, Andrey Triapkin (1997), 1.26.15
12.º, Nikolay Sergeev (1996), 1.26.30
13.º, Zahar Bykon (1997), 1.26.34
14.º, Nikita Rusin (1996), 1.26.45
15.º, Aleksey Vasiliev (1997), 1.26.58
16.º, Evgeniy Dobrynkin (1997), 1.27.48
17.º, Aleksandr Orlov (1995), 1.27.50
18.º, Poman Georgiev (1995), 1.27.51
19.º, Viacheslav Aymurzin (1998), 1.27.54
20.º, Maksim Novikov (1997), 1.27.56
21.º, Ivan Babushkin (1995), 1.28.44
22.º, Sergey Novikov (1997), 1.28.56
23.º, Artiom Trifonov (1995), 1.32.47
24.º, Gennadiy Stepanov (1996), 1.34.35
25.º, Vasiliy Nikolaev (1997), 1.37.36
26.º, Evggeniy Urunchikov (1998), 1.38.48
Desclassificados: Vasiliy Mizinov (1997) e Maksim Krasnov (1996).

20 km sub-23 femininos
1.ª, Klavdia Afanasjeva (1996), 1.29.29
2.ª, Olga Shargina (1996), 1.29.56
3.ª, Julia Turova (1997), 1.32.21
4.ª, Anastasia Evacheva (1997), 1.32.44
5.ª, Aleksandra Bushkova (1997), 1.32.57
6.ª, Anastasiya Kalashnikova (1997), 1.34.05
7.ª, Nadezhda Mokeeva (1996), 1.34.35
8.ª, Reyhan Kagramanova (1997), 1.35.44
9.ª, Lilia Stepanova (1996), 1.36.20
10.ª, Anastasia Taushkanova (1996), 1.36.58
11.ª, Catherine Lyubushkina (1995), 1.37.19
12.ª, Christina Lyubushkina (1995), 1.37.54
13.ª, Anastasia Chernova (1996), 1.40.51
14.ª, Anna Kokareva (1997), 1.40.59

No aniversário de Sandro Damilano

Sandro Damilano com Shocai Du quando da renovação
 do contrato 
com a Federação Chinesa de Atletismo.
Foto: La Stampa
Sandro Damilano, um dos mais destacados treinadores mundiais de marcha da atualidade, faz hoje 67 anos, razão pela qual a equipa do blogue «O Marchador» lhe envia os parabéns!

Com uma carreira de mais de 40 anos ligada à marcha atlética, começou por treinar os seus irmãos em meados dos anos 70, os gémeos Giorgio e Maurizio tendo este obtido grande sucesso na sua carreira desportiva, destacando-se especialmente nos 20 km marcha com o título olímpico nos Jogos de Moscovo em 1980 e os dois títulos mundiais consecutivos obtidos nos campeonatos de Roma, em 1987, e de Tóquio, em 1991.

Em 1981 Sandro Damilano iniciou uma ligação com a federação italiana de atletismo (FIDAL) tendo exercido a função de técnico nacional de marcha entre 1990 e 2000 que se prolongaria ainda até 2011 ano em que aceitou estabelecer um compromisso com a federação chinesa de atletismo ao orientar tecnicamente a sua seleção de marcha.

O trabalho realizado com os melhores marchadores da China nos últimos seis anos viria a ser coroado de êxitos tendo sido obtidas várias medalhas nos últimos campeonatos mundiais e Jogos Olímpicos o que nenhuma outra disciplina havia antes conseguido. De tal modo foi apreciado o seu trabalho que os dirigentes da federação chinesa renovaram recentemente o seu contrato prolongando-o até aos Jogos de Tóquio 2020. 

Com mais de 25 medalhas ganhas pelos atletas por si treinados e considerando somente as obtidas em Jogos Olímpicos, Campeonatos e Taças do Mundo, o técnico italiano tem, de facto, um currículo invejável. Espera-o agora a tarefa de orientar tecnicamente, coadjuvado pelo vice-campeão olímpico de Londres nos 50 km, Si Tiafeng, um grupo de elite chinês, composto de 8 a 12 atletas (mas o potencial é enorme) do qual já não fará parte a campeã mundial e olímpica Liu Hong. A maior parte das sessões de treino terá lugar no Centro de Alto Rendimento de Saluzzo (Itália), acreditado pela IAAF para a marcha atlética.

Tanti auguri carissimo Sandro!

quinta-feira, 23 de fevereiro de 2017

Diniz e Menuet sagram-se campeões de França (indoor)

Yohann Diniz, Jean Blancheteau e a liderança de Emilie Menuet.
Fotos: DD Casale. Montagem: O Marchador
Yohann Diniz, do EFS Reims A., e Emilie Menuet, do AJ Blois-Onzain, acrescentaram aos seus palmarés a conquista de novos títulos nacionais, desta vez nos Campeonatos de França de «Elite» em pista coberta, evento realizado em Bordeaux durante o passado fim-de-semana.

Diniz, recordista mundial dos 50 km, voltou aos campeonatos 8 anos depois do seu último título, para percorrer os 5.000 metros em 19.14,41, concluindo com confortável avanço sobre o sub-23 do Athle Bourgogne Sud, Jean Blancheteau (19.58,71). Nas terceira e quarta posições chegariam o tunisino Hedi Teraoui (HBA - S/l TA Rennes, 20.11,84) e Damien Molmy (CA Montreuil 93, 20.29,79). De registar a presença de um ilustre visitante, o guatemalteco Erick Barrondo (quinto classificado), a recuperar de recente lesão (21.14,41).

Menuet, depois obter 12.50,13 nos 3.000 metros este ano, em Eaubonne (22 jan.), conseguiu agora 12.38,31, apenas a 3 segundos do seu melhor, que é recorde de França, e fixando-se na segunda posição da lista mundial do corrente ano. Com marcas abaixo dos 13 minutos, cortariam a meta Clemence Beretta (AVEC - S/l Athle Vosges Pays, 12.57,30, recorde pessoal) e a guatemalteca Mirma Ortiz (12.59,45). A fechar o pódio nacional, entrou Marine Quennehen (CA Montreuil 93, 13.13,78, recorde pessoal).

Os atuais recordes franceses «indoor» de seniores e sub-23 são os seguintes:
3.000 m femininos
Seniores – 12.35,17 de Emilie Menuet (Eaubonne-2016)
Sub-23 – 12.41,56 de Emilie Tissot (Bordeaux-2014)
5.000 m masculinos
Seniores – 18.16,76 de Yohann Diniz (Reims-2014)
Sub-23 – 19.33,42 de Anthony Gillet (Liévin-1998)

Classificações
5.000 m masculinos
1.º, Yohann Diniz, 1978 (EFS Reims A.), 19.14,41
2.º, Jean Blancheteau, 1996 (Athle Bourgogne Sud), 19.58,71
3.º, Hedi Teraoui (Tunísia), 1989 (HBA - S/l TA Rennes), 20.11,84
4.º, Damien Molmy, 1988 (CA Montreuil 93), 20.29,79
5.º, Erick Barrondo, 1991 (Guatemala), 21.14,41
6.º, Florian Desjardins, 1994 (R2MA - S/l ASPTT Rouen), 21.40,48
7.º, Jean-Franck Vanoosthuyse, 1979 (US Talence), 21.41,77
8.º, Axel Mutter, 1996 (Ac Roche-sur-Yon), 21.59,70
9.º, Sebastien Delaunay, 1974 (CA du Pays Saumurois), 22.01,30
10.º, Benoit Berchebru, 1984 (Martigues Sports Athle), 22.12,45
11.º, Mohamed Massoussi (Tunísia), 1988 (EAMH - S/l U.S.O Mondeville), 22.37,52
Desistente: Fabien Bernabe, 1995 (SCO Ste-Marguerite Marseille).
Desclassificado: Cedric Houssaye, 1979 (SCO Ste-Marguerite Marseille).

3.000 m femininos
1.ª, Emilie Menuet, 1991 (AJ Blois-Onzain), 12.38,31
2.ª, Clemence Beretta, 1997 (AVEC - S/l Athle Vosges Pays), 12.57,30
3.ª, Mirna Ortiz, 1987 (Guatemala), 12.59,45
4.ª, Marine Quennehen, 1991 (CA Montreuil 93), 13.13,78
5.ª, Amandine Marcou, 1992 (SA Merignac), 13.21,97
6.ª, Amelie Bourhis, 1992 (APL - S/l Larmor Estran Athlet), 13.55,36
7.ª, Lucie Barritault, 1990 (Athletic Trois Tours), 14.20,93
8.ª, Virginie Saou, 1982 (Dijon UC), 14.25,79
9.ª, Fabienne Rinero Chanfreau, 1980 (CA Montreuil 93), 14.27,91
10.ª, Elisabeth Brunet, 1986 (Tarbes Pyrenees Athletisme), 14.28,63
11.ª, Marie Boudesseul, 1990 (AA - S/l Angers Athletic Club), 14.28,85
12.ª, Jeanne Billa, 1996 (AS Caluire et Cuire), 14.41,84
13.ª, Cecile Deleuze, 1996 (Amiens UC), 15.10,07

Índia de olhos postos no futuro

Campeonatos, seminário e marcha para a saúde em Nova Deli, Índia.
Imagens enviadas por Pierce O'Callaghan
Montagem: O Marchador
A Federação de Atletismo da Índia (AFI) levou a efeito no passado fim-de-semana um seminário sobre marcha atlética onde foram abordadas as componentes da estrutura organizacional e do ajuizamento.

A iniciativa traduz uma forte aposta da federação indiana na especialidade e acompanha os sinais positivos que os marchadores indianos vão dando mostras no plano internacional nos últimos tempos, principalmente nos 20 km masculinos e de que são bons exemplos a conquista da primeira medalha de ouro em Campeonatos da Ásia, os de 2016 (Gurmeet Singh), um 10.º lugar nos Jogos Olímpicos de Londres, em 2012 (Irfan Kolothum Thodi), e um 13.º lugar nos Jogos do Rio de Janeiro, em 2016 (Manish Singh).

Nos recentes campeonatos nacionais de marcha, realizados pela AFI, com a sponsorização da Max Bupa, foram atribuídos, pela primeira vez em eventos desta natureza, prémios monetários de montante muito significativo aos melhores classificados nas três provas olímpicas. O valor dos mesmos ultrapassou a fasquia dos cinco mil euros. 6 atletas nas provas dos 20 e 50 km masculinos obtiveram os mínimos exigidos para os campeonatos mundiais de Londres, em agosto próximo. A seleção indiana é orientada tecnicamente pelo russo Alexander Artsybashev.

Em conjugação com os campeonatos nacionais, cerca de 10.000 pessoas participaram numa atividade de marcha associando a prática desportiva aos benefícios, manifestamente comprovados, para a saúde dos seus praticantes.

O seminário, que contou com a participação de 30 agentes desportivos (número que a organização estabelecera como máximo) propiciou a que tivesse lugar uma certificação para juízes especialistas de marcha permitindo o acesso ao painel nacional de grau 1. Foram realizados exames escritos e de vídeo, estes com base na visualização de imagens extraídas de competições internacionais.

A atividade foi coordenada pelo irlandês Pierce O'Callaghan, membro do principal painel de juízes internacionais de marcha da IAAF, juiz com vasta experiência na área e que já atuou nos últimos três Jogos Olímpicos estando ainda nomeado para os mundiais de Londres e para a Taça da Europa de Marcha, em Podebrady, na República Checa, aqui na qualidade de juiz-chefe. Também colaborante nos trabalhos esteve presente outro irlandês, Shaun Gallagher, membro do painel europeu de especialistas. Atuou em 2015 no prestigiado Grande Prémio Internacional de Rio Maior e está nomeado para os europeus de Sub-23 que terá lugar na cidade polaca de Bydgoszcz, em julho deste ano.

"A marcha atlética na Índia terá um grande futuro se os dirigentes quiserem", sublinhou Pierce O'Callaghan.

quarta-feira, 22 de fevereiro de 2017

Palmisano e Fortunato com vitórias nos campeonatos italianos de pista coberta

Antonella Palmisano, o pódio feminino e Francesco Fortunato.
Fotos: Colombo/FIDAL. Montagem: O Marchador
Foram de elevado nível os desempenhos de Antonella Palmisano, quarta classificada nos Jogos do Rio-2016, e de Francesco Fortunato, ambos em representação do G.A. Fiamme Gialle, nas provas de marcha dos campeonatos de Itália de pista coberta, a 18 de Fevereiro em Ancona.

Palmisano, com 12.08,83 nos 3.000 metros, realizou a melhor marca mundial do ano (antes, Cabecinha com 12.48,33 em Pombal a 11/2), quedando-se a 3 segundos do seu recorde pessoal (12.05,68-2015). Iniciou os primeiros 1.000 m em 4 minutos e 6 segundos, forçando depois o ritmo com parciais de 4.02 e 4.01. Seguiram-na com marcas abaixo dos 13 minutos, as marchadoras do Bracco Atletica, Valentina Trapletti, que ainda acompanhou Palmisano em fase inicial, com 12.45,74, e Sibilla Di Vincenzo, com 12.55,77.

Fortunato, com 18.59,06 nos 5.000 metros, o seu segundo melhor resultado de sempre na distância, obteve parciais de 3.48,7, 3.47,0, 3.49,0 (11.24,7 aos 2.000 m) – 3.43,0 – 3.51,4, ficando posicionado, por agora, no 3.º lugar da lista mundial do ano. O pódio da prova ficou preenchido com Vito Minei, do G.S. Fiamme Oro Padova, com 19.18,59, recorde pessoal, e Leonardo Dei Tos, do Athletic Club 96 Alperia, com 19.37,18.

O evento serviu de oportunidade de entrega a Antonella Palmisano e a Eleonora Anna Giorgi (que não chegou a competir) das medalhas de prata e de bronze do Campeonato da Europa de sub-23 em Ostrava-2011, que ascenderam ao pódio por força das posteriores desclassificações por dopagem das russas Tatyana Mineyeva e Nina Okhotnikova (antes 1.ª e 2.ª), prova em que a espanhola Julia Takacs viria a obter o título.

Classificações
3.000 m femininos
1.ª, Antonella Palmisano, 1991 (G.A. Fiamme Gialle), 12.08,83
2.ª, Valentina Trapletti, 1985 (Bracco Atletica), 12.45,74
3.ª, Sibilla Di Vincenzo, 1983 (Bracco Atletica), 12.55,77
4.ª, Eleonora Dominici, 1996 (A.S.D. ACSI Italia Atletica), 13.04,18
5.ª, Lidia Barcella, 1997 (Bracco Atletica), 13.57,30
6.ª, Ilaria Camilla Galli, 1987 (Atletica Firenze Marathon S.S.), 14.01,99
7.ª, Valeria Pedetti, 1973 (Atl. Libertas ARCS CUS Perugia), 14.24,53
8.ª, Sascia Grafeo, 1992 (Atl. Libertas ARCS CUS Perugia), 14.27,32
9.ª, Gladys Moretti, 1991 (Atl. Bergamo 1959 Oriocenter), 14.37,87
10.ª, Valeria Disabato, 1999 (Atletica 2005), 14.47,15
11.ª, Arianna Pisano, 1998 (Atletica Arcobaleno Savona), 14.56,54
Desistente: Francesca Azurra Pini, 1999 (Atletica 2005).

5.000 m masculinos
1.º, Francesco Fortunato, 1994 (G.A. Fiamme Gialle), 18.59,06
2.º, Vito Minei, 1994 (G.S. Fiamme Oro Padova), 19.18,59
3.º, Leonardo Dei Tos, 1992 (Athletic Club 96 Alperia), 19.37,18
4.º, Gregorio Angelini, 1996 (Alteratletica Locorotondo), 21.11,24
5.º, Ettore Grillo, 1997 (Atletica Firenze Marathon S.S.), 21.51,03
6.º, Niccolo Coppini, 1997 (Atletica Firenze Marathon S.S.), 22.07,85

Campeonatos da Grécia de pista coberta (resultados)

A vencedora dos 3.000 m e os concorrentes dos 5.000 m masculinos.
Fotos: The-F-Times (arq.) e Zoe Gini
Montagem: O Marchador
Tiveram lugar no passado fim-de-semana os campeonatos gregos de atletismo em pista coberta que decorreram no Palácio de Desportos “Paz e Amizade”, em Pireu, Atenas com as provas de marcha a realizarem-se no sábado (18) nas habituais distâncias de 5.000 metros (masculinos) e 3.000 metros (femininos).

Nos 5.000 m marcha masculinos, destacou se o já crónico campeão grego, Alexandros Papamichail, com uma marca de grande qualidade mundial. Venceu com o tempo de 19.12,98, seguido do regressado Zacharias Tsamoudakis (19.40,37) e de Yiannis Vaitsis (20.24,67).

Boas perspetivas também para outros promissores marchadores gregos, Konstantinos Tentopoulos, Yiannis Vaitsis e George Tzatzimakis, com “portas entreabertas” para a integração nas seleções nacionais para os mundiais de Londres e os europeus e mundiais nas categorias mais jovens. Tsamoudakis e Kravariotis vão competir no Grande Prémio Internacional de Rio Maior, a 1 de abril.

Nos 3.000 m femininos, vitória para Panagiota Tsinopoulou, com 13.14,90, repetindo o triunfo na edição de 2016, seguida de Athanasia Vaitsi, com 14.33,87 e de Anastasia Mpania, com 14.59,41, esta num cerrado despique para a medalha de bronze com a jovem atleta grega da atualidade (Sub-20), Sophia Alikanioti que terminou com o mesmo tempo de Mpania e protagonizou momento verdadeiramente inusitado ao ter perdido o sapato do pé direito, iam percorridos apenas 500 metros e, mesmo assim, prosseguindo até ao final da prova descalçada de um dos pés.

Os Campeonatos da Grécia, em estrada, terão lugar a 8 de abril sendo realizados simultaneamente com os Campeonatos dos Balcãs, na cidade de Florina, na Macedónia Ocidental.

Colaboração: Zoe Gini

Classificações
5.000 m masculinos
1.º, Alexandros Papamichail, 1988 (AO Myconos), 19.12,98
2.º, Zacharias Tsamoudakis, 1996 (Fokianos Karditsas), 19.40,37
3.º, Yiannis Vaitsis, 1995 (G.S.Ilissos), 20.24,67
4.º, Konstantinos Tentopoulos, 1994 (Olympias Patras), 20.34,01
5.º, Dimitrios Tsordias, 1996  (Olympias Patras), 21.18,47
6.º, Savvas Kravariotis, 1996 (Olympias Patras), 21.42,68
7.º, George Tzatzimakis, 1999 (Elefterios Venizelos), 22.00,75
8.º, Themis Tsarouchas, 2000 (G.S. Pindaros), 22.27,71
(...)
13 participantes

3.000 m femininos
1.ª, Panagiota Tsinopoulou, 1990 (Velos Paleo Faliro), 13.14,90
2.ª, Athanasia Vaitsi, 1998 (GS Ilissos), 14.33,87
3.ª, Anastasia Mpania, 1998 (Pao Thersipos), 14.59,41
4.ª, Sophia Alikanioti, 1998 (Olympias Patras), 14.59,41
5.ª, Efstathia Kourkoutsaki, 1998 (GS Ilissos), 15.00,66
6.ª, Olga Fiaska, 2001 (A S Athlokinisi), 15.03,12
7.ª, Efstathia Salma, 2000 (AGS Anatoli), 15.22,17
8.ª, Nikola Andreopoulou, 1983 (Olympias Patras), 15.31,85
(...)
13 participantes

terça-feira, 21 de fevereiro de 2017

Japão investe no ajuizamento

Imagens do seminário em Kobe. Fotos: Tomoya Ishii e Echo Yeung
Montagem: O Marchador
Por ocasião dos campeonatos japoneses de 20 km marcha que tiveram lugar este fim-de-semana em Kobe, a federação japonesa de atletismo organizou um seminário para juízes especialistas de marcha tendo principalmente como foco de atenções a atualização de conhecimentos, quer no plano teórico quer nas suas diversas componentes práticas.

Esta é uma prática usual da JAAF que nos últimos anos tem levado a efeito uma série de ações na matéria, com a colaboração de juízes internacionais que habitualmente são chamados a atuar nos seus principais eventos e, particularmente, nos que permitindo a validação dos resultados obtidos apuram atletas para as principais competições mundiais (Jogos Olímpicos e Campeonatos do Mundo), por via da obrigatoriedade da presença de três elementos dos painéis de juízes de marcha da IAAF.

O seminário deste ano foi ministrado por Rolf Muller (Alemanha), Khoo Chong Beng (Malásia) e Echo Yeung (Hong-Kong). Aos participantes foi distribuída diversa documentação, de caráter informativo e científico.

No sábado, 18 (primeiro dia dos trabalhos), foram visualizadas imagens de vídeos extraídas dos Jogos Olímpicos do Rio de Janeiro, seguindo-se ampla discussão. De seguida, abordou-se o tema do «pit lane».

No domingo, após a realização das competições, os participantes puderam assistir às imagens produzidas nas provas dos campeonatos japoneses, normalmente a cargo de uma equipa de especialistas na área do audiovisual da JAAF, liderada por Koji Hoga Miura e a que o próprio comentou, e á análise das folhas de ajuizamento dos juízes de marcha que atuaram no evento. Seguiu-se uma ampla e produtiva discussão.

Colaboração: Tomoya Ishii

Birth-Smith e Lamble dominam em Adelaide

Birth-Smith e Lamble na liderança em Adelaide.
Fotos: Terry Swan-VRWC. Montagem: O Marchador
No arranque do challenge mundial de marcha 2017 em Adelaide, na Austrália, em conjunto com os campeonatos nacionais e da Oceânia, no passado domingo (dia 19), vitórias nos 20 km para os anfitriões Dane Bird-Smith e Regan Lamble, num evento participado por atletas de 11 países.

Dane Bird-Smith registou 1.19.37, marca que iguala o seu recorde pessoal, exatamente o que havia conseguido quando da medalha de bronze nos Jogos Olímpicos do Rio de Janeiro-2016, ficando a 15 segundos da marca (1.19.22) que seu pai e treinador David Smith conseguiu em Hobart-1987. O domínio do australiano foi de tal forma evidente que após a sua chegada foi preciso aguardar 1 minuto e 23 segundos pelo segundo classificado, o sul-africano Lebogang Shange, com 1.21.00, e pouco depois, na terceira posição, o neozelandês Quentin Rew, com 1.21.12. Os oito primeiros obtiveram marcas abaixo da 1 hora e 22 minutos, concluindo a prova 23 atletas.

Regan Lamble, com 1.29.58, distou 25 segundos do seu recorde pessoal (1.29.33 – Roma-2016) e suplantou por quase 1 minuto a sua mais forte opositora, a lituana Brigita Virbalyte-Dimšiene, esta abaixo da 1 hora e 31 minutos, com 1.30.55. Outra australiana fechou o pódio, Beki Smith (1.31.23), numa prova com 10 atletas classificadas.

Referência ainda para as provas 10 km sub-20, saindo vencedores Declan Tingay, com 42.35, o sue melhor registo em estrada (tem em pista 42.20.31 em finais de janeiro deste ano), Clara Smith, com 47.48.

O challenge da IAAF segue agora para o México, com provas no mês de Março em Ciudad Juarez, a 12, e em Monterrey, a 19.

Consulte os resultados completos de Adelaide [aqui] e veja um extenso álbum de fotos de Terry Swan-VRWC [aqui].

Campeonatos da Índia com recorde nos 50 km marcha

Sandeep Kumar (dorsal 5008), o pódio dos 50 km e a chegada
dos 20 km masculinos. Fotos: Fed. Atletismo da Índia
Montagem: O Marchador
Sandeep Kumar foi a grande figura dos campeonatos indianos de marcha atlética (estrada) que tiveram lugar nos dias 18 e 19 este mês em Nova Deli, capital do país, ao registar a marca de 3.56.00 nos 50 km marcha, realizados sábado, com um novo recorde da India, melhorando o seu anterior tempo (também recorde do país) em 23 segundos. No mundial de nações de 2014, em Taicang, na China, Sandeep obtivera a marca de 3.56.22.

“Estou feliz por ter melhorado a minha marca. O circuito é muito bom e a temperatura foi a ideal aqui em Nova Deli”, assim se manifestou Sandeep que viu juntar-se-lhe nos dois outros lugares do pódio, Jitender Singh, com 4.02.12 e Chandan Singh (o seu companheiro de treinos), com 4.04.19, os três ganhando o passaporte para os mundiais de Londres, em 2017, já que realizaram os mínimos fixados pela IAAF em 4.06.00.

Nestes 50 km, 23 atletas alinharam à partida tendo 14 deles chegado ao fim havendo o registo de 3 desclassificados e 6 desistentes.

Nos 20 km (masculinos), Irfan Kholum Thodi arrecadou o título indiano com o tempo de 1.22.44, a mesma marca do segundo classificado, Devender Singh enquanto a medalha de bronze seria ganha por Ganapati K. com 1.22.58, todos se qualificando para os mundiais de Londres na distância. Competiram 38 atletas. 3 desclassificados e 7 desistentes.

Nos 20 km (femininos), Priyanka Patel foi a primeira, com 1.37.59 seguida de Shanti Kumari, com 1.38.39 e de Rani Yadav, com 1.38.52. Na partida 10 concorrentes. Nenhuma desclassificada. 3 desistiram.

Esta quarta edição dos campeonatos indianos, disputados em pleno coração da cidade tendo como pano de fundo a Porta da Índia, o monumento nacional que homenageia os soldados mortos, veio dar um forte impulso à especialidade no país, em contínuo crescimento, agora com a parceria estabelecida entre a federação indiana e a empresa líder do mercado indiano na área da saúde “Max Bupa Health” e que propiciará aos marchadores de elite os meios necessários à sua preparação para os Jogos Olímpicos de Tóquio em 2020.

Os resultados completos podem ser consultados, o dia 1 [aqui] e o dia 2 [aqui].