quinta-feira, 13 de agosto de 2020

Masters Europa Lovosice 2020, de amanhã até domingo

Imagens: Comité Organizdor Local. Montagem: O Marchador
Na cidade de Lovosice, na República Checa, e numa entusiástica organização do Clube de Atletismo ASK Lovosice e da Câmara Municipal local, decorre de amanhã (14) e até domingo (16) um meeting internacional designado por «Masters Europa Lovosice 2020», edição que tem como convidados especiais os antigos campeões mundiais e medalhados olímpicos, a checa Jarmila Kratochvílová (400 m e 800 m) e o húngaro Imrich Bugár (disco).

Como é habitual nestas paragens, a marcha consta do programa oficial do evento, o que infelizmente não acontece em Portugal, com provas para masculinos e femininos de 3.000 metros (pista), amanhã, pelas 18:30 horas (hora local), de 5.000 metros (pista), no sábado, pelas 18:00 horas, os masculinos, e 18:40 horas, os femininos, e de 10 km (estrada), no domingo, pelas 15:00 horas.

A participação global no evento ultrapassa a centena de atletas (273 inscrições) de 21 países. Nas provas de marcha, estão inscritos 23 atletas nos 3.000 metros, também 23 nos 5.000 metros, e 21 nos 10 km, representando a República Checa, Alemanha, Hungria, França, Polónia, Espanha e Áustria.

Há 3 anos Inês Henriques festejava a medalha de ouro nos Campeonatos do Mundo

Inês Henriques nos 50 km dos Mundiais de Londres-2017
Fotos: Philipp Pohle/RaceWalk Pictures
Montagem: O Marchador
Foi a 13 de agosto de 2017, em Londres. Nos Campeonatos do Mundo de Atletismo, uma marchadora portuguesa alcançava, pela primeira vez no historial do atletismo português, uma medalha de ouro na competição, batendo ainda o recorde mundial na prova dos 50 km marcha (4:05:56), que era introduzida, pela primeira vez, no programa dos campeonatos.

Aos 37 anos de idade, a atleta do Clube de Natação de Rio Maior, orientada tecnicamente pelo seu treinador de sempre, Jorge Miguel, viu na especialidade dos 50 km marcha a possibilidade de brilhar na distância, que até há pouco tempo era da exclusividade dos homens, nos grandes eventos internacionais, e pela qual lutou nas altas instâncias desportivas pela igualdade de oportunidades.

16 após a estreia nuns Campeonatos do Mundo, Inês Henriques, que se iniciou na marcha, entusiasmada pelos sucessos internacionais da sua colega de equipa, Susana Feitor, inscreveu o seu nome à restrita lista dos portugueses que se sagraram campeões mundiais, Rosa Mota, Fernanda Ribeiro, Manuela Machado, Carla Sacramento e Nélson Évora.

Aos 40 anos de idade, completados a 1 de maio deste ano, com presenças em 5 Campeonatos da Europa (campeã em 2018), 9 Campeonatos do Mundo e 3 Jogos Olímpicos, Inês Henriques pretenderá, certamente, competir nos seus quartos Jogos Olímpicos, em 2021.

quarta-feira, 12 de agosto de 2020

Campeonatos WLV e NÖLV de Veteranos em Viena, Áustria (resultados)

Partida e vencedores absolutos, Brigitte Orsolits e Roman Brzezowsky.
Fotos: Hans Newetschny. Montagem: O Marchador
Os estados austríacos de Viena e da Baixa Áustria disputaram em conjunto os seus Campeonatos de Atletismo para Veteranos, tendo por palco a pista «Vienna LAZ» (1-2/8), com provas de marcha sobre 3.000 metros masculinos e femininos.

Roman Brzezowsky, do HSV-Wien/Leichtathletik, da categoria M55, foi o atleta em maior evidência obtendo a marca de 14.27,8, um recorde nacional da sua faixa etária e ainda de todas as que lhe antecedem.

Na classificação absoluta masculina, a segunda posição foi ocupada por Rainer Heinzl, M45 (LC Profis), com 15.04,,3 e Franz Kropik, M50 (SVS-Leichtathletik), com 16.31,7.

No setor feminino, a melhor foi a representante do LV Falsche Hasen, Brigitte Orsolits, da categoria W60, com 19.01,1.

Classificações
3.000 m masculinos - geral (escalões/estado)
1.º, Roman Brzezowsky, 1964 (HSV-Wien/Leichtathletik), 14.27,8 - 1.º, M55 - WLV
2.º, Rainer Heinzl, 1972 (LC Profis), 15.04,3 - 1.º, M45 - WLV
3.º, Franz Kropik, 1968 (SVS-Leichtathletik), 16.31,7 - 1.º, M50 - NÖLV
4.º, David Kamensek, 2000 (PSV Leoben), 19.28,2 - a.W.Sénior - WLV
5.º, Rafael Schrapf, 2004 (TUS Feldbach), 19.30,6 - a.W.Sub-18 - WLV
6.º, Robert Kruschina, 1969 (LC Waldviertel), 19.30,7 - 2.º, M50 - NÖLV
7.º, Johann Siegele, 1948 (SVS-Leichtathletik), 20.04,0 - 1.º, M70 - NÖLV
8.º, Rudolf Michlfeit, 1946 (DSG Wien), 21.10,4 - 1.º, M70 - WLV
9.º, Werner Glockengießer, 1954 (TUS Feldbach), 22.39,5 - a.W.M65 - NÖLV
10.º, Bernhard Dvorak, 1950 (ÖTB-Wien/LA), 25.04,4 - 2.º, M70 - WLV
11.º, Mario Novosel, 1963 (TUS Feldbach), 26.10,5 - a.W.M55 - WLV

3.000 m femininos - geral (escalões/estado)
1.ª, Brigitte Orsolits, 1958 (LV Falsche Hasen), 19.01,1 - 1.ª, W60 - WLV
2.ª, Gabriele Schwarz, 1965 (TUS Feldbach), 22.18,7 - a.W.W55 - WLV
3.ª, Cathérine Prasch, 2003 (TUS Feldbach), 26.59,9 - a.W.Sub-18 - WLV

Ouro de Susana Feitor nos Mundiais Sub-20 completa hoje 30 anos

Susana Feitor com a medalha de ouro de Plovdiv 1990 e na chegada a Lisboa.
Fotos (arquivo): Região de Rio Maior e blogue «O Marchador»
Montagem: O Marchador
Foi a 12 de agosto de 1990, na cidade de Plovdiv, na Bulgária, no último dia dos Campeonatos do Mundo de juniores (Sub-20), que Susana Feitor sagrou-se campeã mundial da categoria, ganhando a prova dos 5.000 metros marcha, proeza que poucos esperariam e que lançou a atleta rio-maiorense para uma das mais bem-sucedidas carreiras internacionais de atletas portugueses na especialidade da marcha. 

Susana Feitor, treinada por Jorge Miguel (na foto acima), e que um ano antes, nos Europeus de Juniores, havia sido sexta classificada, conquistava o título mundial, com apenas 15 anos de idade, realizando a marca de 21:44.30, à frente da russa Tatyana Shchastnaya (22:28.74), e da alemã oriental Simone Thust (22:44.65), levando a Câmara Municipal de Rio Maior, então presidida por Silvino Sequeira, a lançar-se na construção de um Centro de Estágios para atletas de Alto Rendimento. 

No seu percurso internacional, iniciado em 1989, aos 14 anos de idade, foi, em 1991, medalha de prata nos Campeonatos da Europa de Juniores, sagrando-se campeã europeia nesta categoria, em 1993, e medalha de prata no Campeonato do Mundo de Juniores, em 1994 (Lisboa). No Campeonato da Europa de Sub-23, em 1997, alcançou a medalha de bronze. 

Nas grandes competições internacionais de seniores, esteve em maior destaque nos Campeonatos Mundiais de Helsínquia, em 2005, quando alcançou a medalha de bronze, tendo ainda obtido resultados muito relevantes nos mundiais de 1999 (4.ª), 2007 (5.ª) e 2011 (4.ª). Nos Europeus de Budapeste, em 1998, foi medalha de bronze, e nas Taças da Europa de Marcha, foi terceira em 1996, e segunda em 2005.

terça-feira, 11 de agosto de 2020

Na Grécia, Alexandros Papamichail e Antigoni Drisbioti são campeões nos 20 km marcha

Os campeões 2020, Alexandros Papamichail e Antigoni Drisbioti, e as partidas das
provas de 20 km dos campeonatos em Patras. Fotos: Fed.Atl. Grécia e Zoe Gini
Montagem: O Marchador
A cidade de Patras, localizada a cerca de 200 km a oeste de Atenas, aonde se situa o terceiro mais importante porto da Grécia, recebeu, logo pela manhã de domingo (07:30 horas, 9/8) os campeonatos gregos dos 20 km marcha, em estrada que, por via da Covid-19, eram para serem realizados a 4 de abril. 

Sob os olhares atentos de Costas Panagopoulos, presidente de Federação de Atletismo da Grécia, o evento foi, para a maior parte dos atletas, a última competição em que participaram, antes de rumarem para férias, e para outros, a primeira da atividade atlética pós-covid. Por cá, a prova equivalente, os campeonatos nacionais de marcha, estavam agendados para serem realizados a 14 de março, na cidade algarvia de Olhão (um baluarte da disciplina em Portugal), com um clima ameno e agradável durante o todo o ano, mas que, pura e simplesmente, foram anulados! 

Na prova dos homens, Alexandros Papamichail venceu com o tempo de 1:28:36, registando o seu 11.º título na distância, este ano com a mente focalizada nos 50 km, distância em que se preparava para competir nos Jogos Olímpicos de Tokyo. Ainda assim, um bom teste para o atleta grego, crónico campeão do seu país e recordista nacional, tanto nos 20 km (1:21:12), como nos 50 km (3:49:56), fruto da melhor época realizada em 2012 e que culminou com brilhantes prestações nos Jogos de Londres, em 2012. Ainda nos 20 km de Patras, Konstadinos Dedopoulos foi segundo, com 1:34:13, e Anthimos Kelepouris, terceiro, com 1:36:08, este ainda Sub-20, com um resultado auspicioso na primeira experiência na distância. 

Na prova das senhoras, Antigoni Drisbioti concluiu a prova na primeira posição, em ritmo de treino rápido, no tempo de 1:34:00, a sua segunda prova na distância este ano, depois de, em 14 de março, em Ivano-Frankvisk, ter obtido um recorde pessoal de 1:30:25, logo aí com os mínimos para os Jogos Olímpicos. Na segunda posição classificou-se Dimitra Bochori, com um novo recorde pessoal de 1:37:48 (o seu anterior melhor registo era de 1:42:48) e, fechando o pódio, a veterana Angeliki Makri, que participou nos 50 km de Doha, com 1:43:53. 

Colaboração: Zoe Gini

Classificações
20 km masculinos
1.º, Alexandros Papamichail, 1988 (ΑΟ Μυκονοs), 1:28.36
2.º, Konstadinos Dedopoulos, 1994 (ΑΕ Οlυμπιαs Patras), 1:34:13
3.º, Anthimos Kelepouris, 2001 (ΟΚΑ Vikelas Verias), 1.36.08
4.º, Anastasios Stamos, 2000 (ΟΚΑ Vikelas Verias), 1.43.37
5.º, Konstantinos Stamelos, 1989 (GS Heraklis Thessalonikis), 1.44.17
6.º, Marinos Litras, 1980 (GAS Ilissos), 1:51.16
Desclassificados: Joannis Vaitsis, 1995 (GAS Ilissos) e Zacharias Τsamoudakis, 1996 (Ο.F.I ).
Desistente: Dimitrios Tsordias, 1996 (ΑΕ Οlυμπιαs Patras).

20 km femininos
1.ª, Antigoni Drisbioti, 1984 (ΑSS Αlexandros Makedonias), 1.34.00
2.ª, Dimitra Bochori, 1998 (ΟΚΑ Vikelas Verias), 1:37.38
3.ª, Αngeliki Μαkri, 1978 (ΑΕ Οlυμπιαs Patras), 1:43.53
4.ª, Eustathia Κοurkoutsaki, 1998 (GAS Ilissos Athens), 1.48.13
Desistentes: Olga Fiaska, 2001 (ΑS Athlokinisi Mytilini) e Sofia Αlikanioti, 1998 (GAS Ilissos Athens).

Campeonatos de Inverno 2020 da Austrália do Sul, em Adelaide (resultados)

Kim Mottrom na companhia de Jared Tallent e já isolado, e cerimónia de premiação.
Fotos: Athletics South Australia. Montagem: O Marchador
Em Adelaide, na Austrália do Sul (em inglês, South Australia), disputaram-se os Campeonatos Abertos de Inverno de Marcha Atlética (8/8) daquele estado australiano, cujas principais provas de 20 km apuraram como vencedores 2020, nos masculinos, Kim Mottrom, e nos femininos, Kristie Goznik.

Nos masculinos, Mottrom, de 35 anos de idade, que divide a sua atividade desportiva com atleta e treinador, registou 1:33:26, à frente do regressado e campeão olímpico de Londres 2012 Jared Tallent, com 1.36.05. Na terceira posição classificou-se o M55 Richard Everson, com 1.52.26.

O desfecho desta prova inverte o sucedido há uma semana atrás (1/8) em Adelaide Parklands, onde Tallent superou Mottrom, com 35:55 contra 36:23 nos 8 km.

Nos femininos, Kristie Goznik, de 27 anos, completou a distância olímpica em 1:49:22.

Nos mais jovens, destaque-se a prestação da sub-20 Olivia Sandery, com 49:50 nos 10 km femininos.

O evento, cujos resultados completos podem ser consultados aqui, foi organizado pela Athletics SA e ainda pelo South Athletics Race Walkers Club.

segunda-feira, 10 de agosto de 2020

Salİh Korkmaz e Evİn Demİr vencem em Ancara

As partidas das provas e os vencedores, Salİh Korkmaz e Evİn Demİr.
Fotos: Akyavaş Mustafa/Turkey Athletics Federation
Montagem: O Marchador
No arranque pós-COVID-19 da marcha atlética na Turquia, realizou-se ontem, domingo (2/8), uma Taça de Marcha da Federação Turca de Atletismo, com provas de 10.000 metros masculinos e 5.000 metros femininos disputadas na pista Naili Moran, em Ancara.

Com os termómetros a marcarem temperaturas acima dos 30 graus Celsius, vitórias expressivas dos internacionais Salİh Korkmaz, de Malatya, com 41.21,97, nos masculinos, e de Evİn Demİr, ainda sub-20, de İstanbul, com 23.06,52, nos femininos.

Completaram os pódios individuais do evento, nos masculinos, Şahİn Şenoduncu (Ankara, 42.14,45), e Mert Atli, 1993, İstanbul, 42.23,11), e nos femininos, Leyla Işik, sub-18 (Dİyarbakir, 26.29,40) e Seçİl Akpinar (Hatay, 26.55,67).

Classificações
10.000 m masculinos
1.º, Salİh Korkmaz, 1997 (Malatya), 41.21,97
2.º, Şahİn Şenoduncu, 1994 (Ankara), 42.14,45
3.º, Mert Atli, 1993 (İstanbul), 42.23,11
4.º, Mustafa Özbek, 1997 (Malatya), 45.31,29
5.º, Cumalİ Arslan, 2000 (Gazİantep), 46.46,02
6.º, Mazlum Demİr, 2003 (Batman), 47.35,58
7.º, Serhat Güngör, 2002 (Malatya), 48.46,17
8.º, Oğulcan Polat, 2000 (Ankara), 50.12,95
9.º, İsa Arslan, 2002 (Malatya), 50.38,21
10.º, Murat Güda, 2004 (Batman), 50.50,45
11.º, Mehmet Kurtuluş, 2002 (Malatya), 56.13,56
Desistentes: Ahmet Sefa Erol, 2003 (Malatya) e Hamza Bayraktar, 2003 (Malatya).

5.000 m femininos
1.ª, Evİn Demİr, 2001 (İstanbul), 23.06,52
2.ª, Leyla Işik, 2003 (Dİyarbakir), 26.29,40
3.ª, Seçİl Akpinar, 1999 (Hatay), 26.55,67
4.ª, Emİne Ceylan, 2004 (Batman), 27.22,47
5.ª, Sevgİ Kabak, 2003 (Dİyarbakir), 29.03,09
6.ª, Şükran Ayaz, 2002 (Batman), 29.57,02
7.ª, Selİn Çadir, 2004 (Eskİşehİr), 30.12,34
Desclassificadas: Elİfnur Eraslan, 2003 (Eskİşehİr) e Gamze Özen, 2004 (Malatya).

João Vieira e Ana Cabecinha vencem atípicos Campeonatos de Portugal 2020

Os atletas nas posições de medalhas dos Campeonatos de Portugal 2020.
Fotos: Erica SLD/O Marchador e António Sousa
Montagem: O Marchador
Nuns atípicos Campeonatos de Portugal (8/8), com distâncias não regulamentares (3.000 m) e disputado em diferentes pistas (Braga, Lisboa e Ribeira Brava), situação justificada pela pandemia de COVID-19, foi sem surpresa que João Vieira, do Sporting Clube de Portugal, e Ana Cabecinha, do Clube Oriental de Pechão, se sagraram, uma vez mais, campeões nacionais de pista ao ar livre.

Nos masculinos, João Vieira, que aos 44 anos de idade acumula 20 títulos nos campeonatos, evidenciou flagrante superioridade face aos demais concorrentes, obtendo 11:45.85 na pista do Estádio Universitário de Lisboa. No mês passado conseguira 11:33.61 em Pombal. Vencedor em Braga, Rui Coelho, do CA Seia, obteve a segunda posição da geral, com 12:28.81, repetindo o lugar de 2019, e Pedro Isidro, do SL Benfica, regressa ao pódio dos campeonatos, com 12:41.58, a terceira posição na geral (2.º em Lisboa).

Nos femininos, Ana Cabecinha, de 36 anos, agora com uma dezena de títulos nos campeonatos, foi cronometrada em Lisboa com a marca de 12:43.01 (em fevereiro registou 12:34.10 na pista coberta), tendo a companhia até cerca dos 1.000 metros da sua colega de equipa Edna Barros, segunda classificada da geral (3.ª em 2019), com 13:01.49. O terceiro lugar da geral seria também conseguido na mesma prova em Lisboa através de Inês Henriques, do CN Rio Maior, com 13:10.81.

Classificações
3.000 m masculinos
1.º, João Vieira, 1976 (SCP), 11:45.85 - 1.º, Lisboa (EUL)
2.º, Rui Coelho, 1994 (CAS), 12:28.81 - 1.º, Braga
3.º, Pedro Isidro, 1985 (SLB), 12:41.58 - 2.º, Lisboa (EUL)
4.º, Amaro Teixeira, 1989 (CAS), 13:11.43- 3.º, Lisboa (EUL)
5.º, Rúben Santos, 2000 (SCP), 13:25.72 - 4.º, Lisboa (EUL)
6.º, João Olim, 2000 (ADRAP), 13:34.44 - 1.º, Ribeira Brava
7.º, Manuel Marques, 1978 (IND), 13:38.31 - 2.º, Braga
8.º, Luís Bidarra, 1971 (CAS), 14:33.46 - 3.º, Braga
9.º, Ricardo Bernardino, 1999 (SCP), 14:37.71 - 5.º, Lisboa (EUL)
10.º, André Miranda, 1992 (ACPV), 15:16.43 - 4.º, Braga

3.000 m femininos
1.ª, Ana Cabecinha, 1984 (COP), 12:43.01 - 1.ª, Lisboa (EUL)
2.ª, Edna Barros, 1996 (COP), 13:01.49 - 2.ª, Lisboa (EUL)
3.ª, Inês Henriques, 1980 (CNRM), 13:10.81 - 3.ª, Lisboa (EUL)
4.ª, Joana Pontes, 2000 (LMA-L), 13:16.92 - 4.ª, Lisboa (EUL)
5.ª, Vera Santos, 1981 (SCP), 13:21.94 - 5.ª, Lisboa (EUL)
6.ª, Carolina Costa, 1998 (SCP), 13:23.62 - 6.ª, Lisboa (EUL)
7.ª, Vitória Oliveira, 1992 (SCB), 13:35.02 - 1.ª, Braga
8.ª, Adriana Viveiros, 2002 (ADRAP), 13:47.02 - 1.ª, Ribeira Brava
9.ª, Maria Bernardo, 1999 (COP), 14:08.82 - 7.ª, Lisboa (EUL)
10.ª, Bruna Marques, 2002 (IND), 14:30.05 - 2.ª, Braga
11.ª, Sandra Silva, 1975 (IND), 14:45.32 - 3.ª, Braga
12.ª, Beatriz Dionísio, 2002 (ACDC), 14:48.44 - 8.ª, Lisboa (EUL)
13.ª, Vera Portela, 1995 (CSM), 14:58.77 - 9.ª, Lisboa (EUL)
14.ª, Andreia Freitas, 1983 (AJS), 15:56.02 - 2.ª, Ribeira Brava

domingo, 9 de agosto de 2020

A marcha no Meeting Estival em Balma, França (resultados)

A partida dos 5.000 m marcha e os vemcedores, Elisabeth Brunet e Martin Madeline-Degy.
Fotos: DD Casale. Montagem: O Marchador
O Meeting Estival de Atletismo do CA Balma,em primeira edição, realizado no passado dia 30/7 em Balma, nos subúrbios de Toulouse, contou no programa com a marcha atlética, com as principais provas sobre 5.000 metros para masculinos e femininos.

Nos masculinos, venceu o sub-20 Martin Madeline-Degy, do Les Pointes de St. Sulpice, com 21.45,12, que se destacou nas últimas duas voltas da prova até aí comandada por Kyrian Vallee, do CA Balma, o segundo classificado, com 21.54,87. A terceira posição foi para Remi Rodriguez, também do CA Balma, com 22.06,51.

Nos femininos, vitória se oposição de Elisabeth Brunet, do Tarbes Pyrenees Athletisme, com 24.40,87, ela que se tem vindo a preparar para competir nos 50 km de Tilburg em outubro próximo. Subiram às restantes posições do pódio a veterana W55 Roseline Chapillon, do CA Balma, com 26.25,22, e a sub-18 Zelie Saniez, do US Talence, com 29.56,05.

Num evento em que o termómetro ultrapassou os 30 graus centígrados, a avaliação da progressão dos concorrentes esteve a cargo de Emmanuel Tardi, Patrice Brochot, Emilie Bessas, Eric Bouviala e Steve Gilbert.

Colaboração: Emmanuel Tardi


Classificações (provas mistas)
5.000 m masculinos - geral
1.º, Martin Madeline-Degy, 2001 (ECLA Albi - S/l Les Pointes De St Sulpice), 21.45,12
2.º, Kyrian Vallee, 1994 (CA Balma), 21.54,87
3.º, Remi Rodriguez, 1989 (CA Balma), 22.06,51
4.º, Thomas Gloaguen, 1996 (APC - S/l Aix Athle Provence), 22.48,63
5.º, David Durand-Pichard, 1972 (Athletisme Metz Metropole), 25.37,62
6.º, Sylvain Cutillas, 1987 (CA Balma), 27.12,98
7.º, John Patin, 1960 (APC - S/l Athletic Club Salona), 29.30,00
8.º, Bela Farago, 1948 (Ecla Albi), 31.37,38
9.º, Daniel Laffont, 1953 (CA Balma), 31.47,86
10.º, Marc Lassus, 1950 (US Bazas), 32.52,23
11.º, Gerard Sen, 1948 (US Bazas), 35.01,44
12.º, Alexis Jordana, 1937 (Blagnac SC), 35.27,44

5.000 m geral - geral
1.ª, Elisabeth Brunet, 1986 (Tarbes Pyrenees Athletisme), 24.40,87
2.ª, Roseline Chapillon, 1968 (CA Balma), 26.25,22
3.ª, Zelie Saniez, 2004 (US Talence), 29.56,05
4.ª, Christel Lanaspeze, 1970 (Athle 632 - S/l Athle 632 Tour), 31.58,35
5.ª, Lucie Sen, 1950 (US Bazas), 35.30,00
6.ª, Sarah Labrue, 1984 (Blagnac SC), 37.43,40
Desistente: Mylene Ortiz, 1979 (Lille MA - S/l US Tourcoing).

Michal Morvay e Anežka Drahotová vencem 54.ª edição de Olomouc, Rep. Checa

Os pódios absolutos do evento de marcha em Olomouc.
Fotos: Smola Chuze. Montagem: O Marchador
No tradicionalíssimo grande prémio de marcha de Olomouc, na República Checa (1/8), vitórias do eslovaco Michal Morvay, do Hvězda Pardubice z.s., com 43:22, e da checa Anežka Drahotová, da Univerzitní sportovní klub Praha, com 46:49, num evento com considerável número de participantes nas provas de 10 km masculinos e femininos, com o total a atingir 97 atletas.

Os pódios ficaram completos, nos masculinos, com o sub-18 Jaromír Morávek, do SMOLA CHŮZE Praha, com um significativo recorde pessoal de 43:48, e Vít Hlaváč, do A. C. TEPO Kladno A, com 43:58, e nos femininos, com Tereza Ďurdiaková, do AK Olymp Brno, spolek A, com 47:28, e da sub-20 Eliška Martínková, do AC Turnov, z. s., com 49:43.

Referência ainda para a categoria de veteranos, que disputaram o campeonato nacional também em 10 km, sendo primeiros classificados absolutos na meta, Tomáš Hlavenka, M40, do AC Moravská Slavia Brno, spolek, com 45:51 (6.º na geral), e Naděžda Dušková, W35, do TJ Dukla Praha, com 55:11 (8.ª na geral).

Principais classificações
10 km femininos - geral/Vet.
1.ª, Anežka Drahotová, 1995 (Univerzitní sportovní klub Praha), 46:49
2.ª, Tereza Ďurdiaková, 1991 (AK Olymp Brno, spolek A), 47:28
3.ª, Eliška Martínková, 2002 (AC Turnov, z. s.), 49:43
4.ª, Alžbeta Ragasová, 2002 (AK Olymp Brno, spolek A), 51:42
5.ª, Kučerová Štěpánka Pohlová, 1987 (TJ Sokol Hradec Králové), 53:25
6.ª, Jana Zikmundová, 2002 (AC Turnov, z. s.), 53:35
7.ª, Hana Burzalová, 2000 (AK Olymp Brno, spolek B), 54:40
8.ª, Naděžda Dušková, 1980 (TJ Dukla Praha), 55:11 - 1.ª, Vet.
9.ª, Michaela Bakliková, 2001 (AK ŠKODA Plzeň), 56:27
10.ª, Klára Hlaváčová, 2003 (A. C. TEPO Kladno A), 59:29
11.ª, Lenka Borovičková, 1973 (SK Nové Město nad Metují), 61:22 - 2.ª, Vet.
12.ª, Lenka Slabáková, 1966 (AC Moravská Slavia Brno, spolek), 61:23 - 3.ª, Vet.
13.ª, Martina Netolická, 1982 (AC Slovan Liberec, z.s. A), 61:48 - 4.ª, Vet.
14.ª, Ivana Vránková, 1974 (Orel Vyškov), 61:54 - 5.ª, Vet.
15.ª, Anna Málková, 1963 (Orel Vyškov), 61:58 - 6.ª, Vet.
16.ª, Veronika Janošíková, 1998 (AK Olymp Brno, spolek B), 62:32
17.ª, Johana Petříková, 2002 (TJ Dukla Praha), 63:54
18.ª, Petra Jeníková, 1996 (Spartak Praha 4 A), 64:36
19.ª, Kristýna Denková, 2002 (TJ VTŽ CHOMUTOV,z.s.), 64:45
20.ª, Šárka Kraisová, 1976 (Orel Vyškov), 65:34 - 7.ª, Vet.
21.ª, Veronika Scholzeová, 1998 (SK Nové Město nad Metují), 66:01
22.ª, Simona Pelová, 2001 (A. C. TEPO Kladno A), 66:02
23.ª, Eliška Jelínková, 2004 (AC Mladá Boleslav z.s.), 66:16
24.ª, Kristýna Vejšická, 2002 (SK Nové Město nad Metují), 66:30
25.ª, Pavla Cinkánová, 2001 (AC Slovan Liberec, z.s. A), 66:41
26.ª, Zuzana Hanyková, 1974 (AC Turnov, z. s.), 67:21 - 8.ª, Vet.
27.ª, Hana Růžičková, 1990 (AK ŠKODA Plzeň), 69:00
28.ª, Vivien Uvírová, 2003 (SSK Vítkovice, z.s.), 69:53
29.ª, Krystýna Piotuchová, 2002 (AC Mladá Boleslav z.s.), 70:03
30.ª, Karolína Jeníková, 1968 (Spartak Praha 4 B), 71:02 - 9.ª, Vet.
31.ª, Jaroslava Pokorová, 1972 (AK ŠKODA Plzeň), 71:10 - 10.ª, Vet.
32.ª, Štěpánka Šlichtová, 2003 (TJ VTŽ CHOMUTOV,z.s.), 73:20
33.ª, Tereza Račanská, 2004 (Orel Vyškov), 77:06
34.ª, Šárka Valášková, 2002 (A. C. Sparta Praha), 77:06
35.ª, Alena Svitáková, 1966 (AC Česká Lípa), 82:12 - 11.ª, Vet.

10 km masculinos - geral/Vet.
1.º, Michal Morvay, 1996 (Hvězda Pardubice z.s.), 43:22
2.º, Jaromír Morávek, 2003 (SMOLA CHŮZE Praha), 43:48
3.º, Vít Hlaváč, 1997 (A. C. TEPO Kladno A), 43:58
4.º, Lubomír Kubiš, 2001 (Slovensko), 44:24
5.º, Lukáš Gdula, 1991 (Hvězda Pardubice z.s.), 45:46
6.º, Tomáš Hlavenka, 1977 (AC Moravská Slavia Brno spolek), 45:51 - 1.º, Vet.
7.º, Martin Nedvídek, 1975 (AC Rumburk, z.s.), 47:20 - 2.º, Vet.
8.º, Michal Šandera, 1976 (AC Rumburk, z.s.), 48:25 - 3.º, Vet.
9.º, Patrik Nemčok, 2003 (ŠK BCF DUKLA Banská Bystrica), 48:28
10.º, Rostislav Kolář, 1987 (SK Hranice, z.s.), 48:41
11.º, Karel Ketner, 1990 (SSK Vítkovice, z.s.), 49:52
12.º, Michal Duda, 2004 (ŠK BCF DUKLA Banská Bystrica), 50:24
13.º, Adam Zajíček, 2003 (SSK Vítkovice, z.s.), 50:48
14.º, Tomáš Gdula, 1997 (Hvězda Pardubice z.s.), 50:55
15.º, Filip Hejkrlík, 1979 (Athletic Club Ústí n/L. z.s.), 51:19 - 4.º, Vet.
16.º, Milan Švehla, 1978 (Atletika Holešov, z.s.), 53:44 - 5.º, Vet.
17.º, Roman Hanyk, 2004 (AC Turnov, z. s.), 54:00
18.º, Robert Hurdálek, 2003 (SK Nové Město nad Metují), 55:03
19.º, Josef Smola, 1964 (AC Rumburk, z.s.), 55:09 - 6.º, Vet.
20.º, Daniel Balicz, 2002 (AC Mladá Boleslav z.s.), 55:51
21.º, David Šnajdr, 1971 (SK Nové Město nad Metují), 56:09 - 7.º, Vet.
22.º, Jiří Jon, 1968 (SK Nové Město nad Metují), 57:19 - 8.º, Vet.
23.º, Alexandr Malysa, 1997 (VSK Univerzita Brno), 57:38
24.º, Martin Žežulka, 1995 (TJ Stodůlky Praha, z.s.), 58:05
25.º, Miroslav Fliegl, 1954 (AC Domažlice, z. s.), 58:08 - 9.º, Vet.
26.º, Karel Hevessy, 1998 (A. C. TEPO Kladno A), 58:35
27.º, Kryštof Alexa, 2003 (A. C. TEPO Kladno B), 59:06
28.º, Antonín Kozelka, 1985 (TJ Sokol Hradec Králové), 60:15 - 10.º, Vet.
29.º, Zbyněk Herman, 1969 (TJ Lokomotiva Břeclav), 61:07 - 11.º, Vet.
30.º, Karel Konečný, 1970 (TJ Spartak Třebíč, spolek B), 61:43 - 12.º, Vet.
31.º, Filip Kaštovský, 2001 (Atletický klub Havířov, z.s.), 61:47
32.º, Petr Jindra, 1971 (PSK Olymp Praha, z.s. B), 62:18 - 13.º, Vet.
33.º, Pavel Fišer, 1966 (TJ Stodůlky Praha, z.s.), 62:21 - 14.º, Vet.
34.º, Josef Kalát, 1955 (AK Bílina), 63:30 - 15.º, Vet.
35.º, Michal Řežábek, 1993 (Spartak Praha 4 A), 64:14
36.º, Jiří Janoušek, 1951 (TJ Jiskra Otrokovice), 64:18 - 16.º, Vet.
37.º, Martin Kostohryz, 1996 (Spartak Praha 4 A), 6:34
38.º, Jakub Zajíc, 1989 (TJ Sokol Kolín-atletika), 64:45
39.º, Milan Sekanina, 1954 (Atletický klub Olomouc z.s.), 65:13 - 17.º, Vet.
40.º, Petr Havránek, 1984 (SK Hranice, z.s.), 65:40 - 18.º, Vet.
41.º, Jan Rein, 1963 (AC Rumburk, z.s.), 66:12 - 19.º, Vet.
42.º, Václav Mráz, 1983 (A. C. Sparta Praha), 66:50 - 20.º, Vet.
43.º, Petr Adam, 1950 (SK Nové Město nad Metují), 67:11 - 21.º, Vet.
44.º, Richard Chmelík, 1990 (Atletický klub Havířov, z.s.), 67:47
45.º, Jaromír Hloch, 1992 (TJ Lokomotiva Břeclav), 67:54
46.º, Horst Kiepert, 1951 (MBB-SG Augsburg), 68:05 - 22.º, Vet.
47.º, Petr Říha, 1987 (AC Moravská Slavia Brno, spolek), 68:37
48.º, Jan Polášek, 1980 (Atletický klub Havířov, z.s.), 69:46 - 23.º, Vet.
49.º, Tomáš Vymyslický, 1989 (TJ Lokomotiva Břeclav), 70:19
50.º, Ondřej Čerepušťák, 1948 (AC Čáslav z.s.), 72:17 - 24.º, Vet.
51.º, Miloš Němec, 1959 (Bonbon), 73:05 - 25.º, Vet.
52.º, Tomáš Chmelík, 1992 (Atletický klub Havířov, z.s.), 73:31
53.º, Milan Zeibert, 1963 (TJ Spartak Třebíč, spolek), 74:10 - 26.º, Vet.
54.º, Jiří Kovanda, 1946 (TJ Lokomotiva Beroun z.s.), 74:45 - 27.º, Vet.
55.º, Miloslav Červ, 1950 (ATLETIKA Polička, spolek), 75:39 - 28.º, Vet.
56.º, Jaroslav Pták, 1947 (AK Bílina), 75:48 - 29.º, Vet.
57.º, Jan Zajíc, 1953 (Hvězda Pardubice z.s. B), 76:28 - 30.º, Vet.
58.º, Jaroslav Prückner, 1954 (AC Mladá Boleslav z.s.), 78:54 - 31.º, Vet.
59.º, Stanislav Marek, 1942 (TJ Spartak Třebíč, spolek), 79:57 - 32.º, Vet.
60.º, Miloslav Sviták, 1959 (AC Česká Lípa), 82:29 - 33.º, Vet.
61.º, Václav Dostalík, 1940 (Atletický klub Olomouc z.s.), 82:46 - 34.º, Vet.

sábado, 8 de agosto de 2020

Liakhovich e Terlyukevich vencem campeonatos da Bielorrússia 2020

Em Minsk, os campeões nacionais Anna Terlyukevich e Aleksandr Liakhovich,
e os pódios dos 10.000 metros. Fotos: Vyacheslav Patysh/BLF
Montagem: O Marchador
Aleksandr Liakhovich e Anna Terlyukevich sagraram-se campeões da República da Bielorrússia na dupla jornada da marcha atlética, ambos vencendo os 10.000 metros (dia 31/7) e os 5.000 metros (1/8), provas do programa dos Campeonatos Nacionais de Atletismo que se disputaram de 28 de julho a 2 de agosto na capital Minsk, com elevado nível organizativo e excelentes resultados.

Nos masculinos, com os pódios a repetirem-se nos dois dias, Liakhovich impôs nos 10.000 metros, com 39.37,45, e nos 5.000 metros, com um novo recorde pessoal de 18.53,19. Os outros elementos foram Mikita Kaliada, de 20 anos de idade, com 40.18,51/19.26,08, e Anatoliy Gomelev, com 40.32,18/10-35,97, ambos com recordes pessoais nas duas distâncias.

Nos femininos, superioridade bem patenteada por Terlyukevich, a suplantar as suas marcas pessoais conseguindo 44.43,31 nos 10.000 metros e 21.45,84 nos 5.0000 metros. As segundas posições dos pódios foram ocupadas nos 10.000 metros por Darya Paluektava, com 45.21,21, e nos 5.000 metros por Natallia Malchanava, com 22.04,13, enquanto as terceiras foram para a mesma atleta, Anastasiya Rarovskaya, com 45.50,50/22.06,40, todas com recordes pessoais.

Uma nota para o medalhado de bronze nos 50 km marcha dos Europeus de Berlim 2018, Dzmitry Dziubin, quarto classificado nos 10.000 metros (41.04,93) e quinto nos 5.000 metros (19.49,50).

Colaboração: Kristina Saltanovic

Classificações
10.000 m masculinos (31/7)
1.º, Aleksandr Liakhovich, 1989 (Grodnenskaya), 39.37,45
2, Mikita Kaliada, 2000 (Brestskaya), 40.18,51
3.º, Anatoliy Gomelev, 1996 (Vitebskaya), 40.32,18
4.º, Dzmitry Dziubin, 1990 (Minskaya-Vitebskaya), 41.04,93
5.º, Dmitriy Lukyanchuk, 1997 (Brestskaya), 41.23,48
6.º, Uladzimir Kalesnik, 1992 (Brestskaya-Gomelskaya), 41.23,50
7.º, Pavel Olkhovik, 2000 (Brestskaya), 42.06,05
8.º, Anton Bildziuha, 2001 (Vitebskaya), 44.33,58
9.º, Volodymyr Brundukov, 1990 (Brestskaya-Mogilevskaya), 44.57,16
10.º, Dmitriy Velichko, 1999 (Vitebskaya-Mogilevskaya), 47.42,45
Desistente: Aleksandr Sipchuk, 1999 (Brestskaya).
Desclassificado: Artem Gerashchenko, 1994 (Mogilevskaya).

10.000 m femininos (31/7)
1.ª, Anna Terlyukevich, 1987 (Minskaya-Mogilevskaya), 44.43,31
2.ª, Darya Paluektava, 1993 (Grodnenskaya), 45.21,21
3.ª, Anastasiya Rarovskaya, 1996 (Grodnenskaya), 45.50,50
4.ª, Nastassia Rodzkina, 1994 (Mogilevskaya), 46.28,24
5.ª, Natallia Malchanava, 1997 (Gomelskaya-Mogilevskaya), 46.56,27
6.ª, Lizaveta Hryshkevich, 2003 (Brestskaya), 47.27,99
7.ª, Valeriya Komel, 1997 (Minsk-Brestskaya), 47.34,10
8.ª, Yana Zubkova, 2001 (Brestskaya-Minskaya), 49.01,60
9.ª, Katiaryna Hniadzko, 1999 (Brestskaya), 49.31,55
10.ª, Dana Marozava, 2001 (Minskaya), 51.27,36
11.ª, Volha Lukashevich, 2000 (Brestskaya), 51.46,22

5.000 m masculinos (1/8)
1.º, Aleksandr Liakhovich, 1989 (Grodnenskaya), 18.53,19
2.º, Mikita Kaliada, 2000 (Brestskaya), 19.26,08
3.º, Anatoliy Gomelev, 1996 (Vitebskaya), 19.35,97
4.º, Dmitriy Lukyanchuk, 1997 (Brestskaya), 19.45,58
5.º, Dzmitry Dziubin, 1990 (Minskaya-Vitebskaya), 19.49,50
6.º, Pavel Olkhovik, 2000 (Brestskaya), 20.25,15
7.º, Uladzimir Kalesnik, 1992 (Brestskaya-Gomelskaya), 20.58,21
8.º, Anton Bildziuha, 2001 (Vitebskaya), 21.22,26
9.º, Volodymyr Brundukov, 1990 (Brestskaya-Mogilevskaya), 21.40,50
10.º, Dmitriy Velichko, 1999 (Brestskaya-Mogilevskaya), 22.18,99
Desclassificados: Aleksandr Sipchuk, 1999 (Brestskaya) e Evgeniy Tiuev, 2002 (Minsk).

5.000 m femininos (1/8)
1.ª, Anna Terlyukevich, 1987 (Minskaya-Mogilevskaya), 21.45,84
2.ª, Natallia Malchanava, 1997 (Gomelskaya-Mogilevskaya), 22.04,13
3.ª, Anastasiya Rarovskaya, 1996 (Grodnenskaya), 22.06,40
4.ª, Darya Paluektava, 1993 (Grodnenskaya), 22.17,90
5.ª, Nastassia Rodzkina, 1994 (Mogilevskaya), 22.53,20
6.ª, Dana Marozava, 2001 (Minskaya), 23.02,67
7.ª, Yana Zubkova, 2001 (Brestskaya-Minskaya), 23.13,32
8.ª, Hanna Zubkova, 2001 (Brestskaya-Minskaya), 24.19,50
9.ª, Katiaryna Hniadzko, 1999 (Brestskaya), 24.40,28
10.ª, Elena Savastenia, 2001 (Minsk), 27.56,85

Campeonatos de Portugal divididos em várias pistas

Imagens: FPA. Montagem: O Marchador
Vão ter lugar hoje, sábado (8/8), os Campeonatos de Portugal absolutos, em pista, este ano, excecionalmente, assim se espera, fragmentados por várias zonas do país, nomeadamente, em Braga (3 femininos e 4 masculinos), Lisboa, (9-5), Açores (0) e Madeira (3-1), contando com a presença de todos os melhores marchadores nacionais.

As provas de marcha serão realizadas no sábado e no formato muito reduzido de 3.000 metros, o que nunca aconteceu desde que, no setor masculino, a marcha entrou nos campeonatos, em 1979 (sempre realizados em 10 e 20.000 metros), enquanto no setor feminino, apenas se realizou tal distância na edição inaugural, em 1981, depois, de 1982 a 1985, com os 5.000 metros, sempre com triunfos de Paula Gracioso, e a partir de 1986, em 10 quilómetros (estrada e pista). 

Nos homens, e nos últimos 20 anos (2000 a 2019), João Vieira obteve 19 títulos nacionais, campeão nas últimas cinco edições, Sérgio Vieira venceu em 2010 e 2014, e António Pereira em 2008, enquanto no setor feminino, Ana Cabecinha triunfou 9 vezes (campeã na última edição), Susana Feitor, 6, e Inês Henriques, 5. 

Os melhores tempos registados nas anteriores provas de 3.000 metros, realizadas este ano, com performances abaixo dos 13 minutos nas mulheres, são de Ana Cabecinha, com 12.34,10 (29/02, em Pombal, pista coberta), de Edna Barros, com 12.50,21 (23/07, em Faro), e de Vitória Oliveira, com 12.57,44 (22/2, em Braga, pista coberta), e abaixo dos 12 minutos nos homens, é de João Vieira, com 11.33,61 (11/07, em Pombal).

Toda a informação sobre os campeonatos pode ser consultada no «site» da FPA, aqui.

sexta-feira, 7 de agosto de 2020

Katarzyna Zdziebło destaca-se em Spala, Polónia

Katarzyna Zdziebło, partida feminina, e liderança masculina a cargo de Dawid Tomala.
Fotos: Marek Biczyk-PZLA (arq.) e Lubie Hrubie
Montagem: O Marchador
A polaca Katarzyna Zdziebło, do LKS Stal Mielec, foi a atleta em plano de maior evidência nas provas de marcha realizadas na pista do Complexo Desportivo e de Preparação Olímpica em Spala, no domingo (2/8), ao obter 21:34.30 nos 5.000 metros femininos, marca que constitui um novo recorde pessoal e é a melhor europeia conseguida este ano. A nível mundial, está a escassos 11 centésimos de segundo da líder, a australiana Jemima Montag (21:34.19).

Zdziebło, que na passagem dos 3.000 metros registou 12:59.76, foi seguida na classificação geral por Olga Niedziałek, do WLKS Nowe Iganie, com 22:26.42, e Antonina Lorek, do KS AZS AWF Kraków, 24:50.28 (recorde pessoal).

Nos 5.000 metros masculinos, com 5 segundos a separarem os três primeiros classificados, a ordem ficou estabelecida através de Dawid Tomala, do AZS KU Politechniki Opolskiej, com 20:36.92, Rafał Fedaczyński, do AZS UMCS Lublin, com 20:38.26, e Jakub Jelonek, do CKS Budowlani Częstochowa, com 20:42.31.

Classificações
5.000 m masculinos (t.p. 3.000 m)
1.º, Dawid Tomala, 1989 (AZS KU Politechniki Opolskiej), 20:36.92 (t.p. 12:26.88)
2.º, Rafał Fedaczyński, 1980 (AZS UMCS Lublin), 20:38.26 (t.p. 12:26.98)
3.º, Jakub Jelonek, 1985 (CKS Budowlani Częstochowa), 20:42.31 (t.p. 12:27.17)
4.º, Rafał Augustyn, 1984 (LKS Stal Mielec), 20:49.31 (t.p. 12:29.96)
5.º, Michał Baranowski, 1998 (MKS Unia Hrubieszów), 24:16.12 (t.p. 13:55.04)
Desistente: Łukasz Niedziałek, 2000 (WLKS Nowe Iganie).

5.000 m femininos (t.p. 3.000 m)
1.ª, Katarzyna Zdziebło, 1996 (LKS Stal Mielec), 21:34.30 (t.p. 12:59.76)
2.ª, Olga Niedziałek, 1997 (WLKS Nowe Iganie), 22:26.42 (t.p. 13:18.67)
3.ª, Antonina Lorek, 1995 (KS AZS AWF Kraków), 24:50.28 (t.p. 14:45.62)
4.ª, Anna Zdziebło, 2001 (LKS Stal Mielec), 26:32.72 (t.p. 15:40.32)
5.ª, Karolina Tarnowska, 2003 (MKS Unia Hrubieszów), 28:30.95 (t.p. 16:57.80)

Marchadores olímpicos portugueses (1984-2016): Isilda Gonçalves e Susana Feitor

Este seria o dia da realização, em Sapporo, no Japão, das provas de marcha dos 20 km femininos e dos 50 km masculinos dos Jogos Olímpicos de Tóquio 2020, não fosse o forçado adiamento do evento para o verão de 2021 e, assim, motivo para relembrarmos os nomes e o percurso atlético das sete marchadoras portuguesas que representaram o país em Jogos Olímpicos.  

Isilda Gonçalves (1992) e Susana Feitor (1992-1996-2000-2004-2008).
Fotos: arquivo «O Marchador» e Lusa
Montagem: O Marchador
A disciplina da marcha no setor feminino registou a sua entrada nos Jogos Olímpicos de Barcelona, em 1992, isto é, passados 84 anos depois da primeira presença da marcha masculina no evento, em 1908. A prova foi realizada na distância de 10 quilómetros e assim se manteve até à edição dos Jogos de Atlanta, em 1996.  

Com os Jogos Olímpicos de Sydney, em 2000, a marcha feminina passou a realizar-se na vertente de 20 quilómetros. Susana Feitor e Isilda Gonçalves foram as primeiras marchadoras portuguesas a tomarem parte nuns Jogos Olímpicos, precisamente nos inaugurais (para a marcha feminina), em Barcelona.  

Isilda Gonçalves

Nasceu em Angola, a 11 de novembro de 1969, sempre representando clubes da área do Montijo, localidade onde reside desde criança. Foi treinada por Francisco Mariano. 

Esteve presente nos Jogos Olímpicos de Barcelona, em 1992, onde se classificou no 34.º lugar. Em Portugal, foi recordista nacional nos 10.000 metros marcha (pista e estrada), a distância que então mais se disputava no setor feminino. Foi 9 vezes campeã nacional absoluta e em 1990 e 1991 bateu os recordes nacionais dos 10 km (estrada), 10.000 metros (pista) e da meia hora de marcha (pista). 

Participou nos Campeonatos da Europa de 1990 e 1994, nos Campeonatos do Mundo de 1991 e ainda nas Taças da Europa de Marcha de 1996, 1998, 2000 e 2001, e nas Taças do Mundo de Marcha de 1993, 1995, 1997 e 1999.  

Recordes pessoais nas distâncias olímpicas: 10.000 m, 44.59,77 (2001); 20 km, 1.35.06 (2001).

Susana Feitor

Nasceu em Alcobertas (Rio Maior) a 28 de janeiro de 1975. Foi treinada por Jorge Miguel no maior período temporal da sua carreira (1987 a 2010), onde representou o Clube de Natação de Rio Maior, e por Stephan Platzer. 

Participou em cinco edições dos Jogos Olímpicos (1992 a 2008), sendo a atleta portuguesa na modalidade (a par de Fernanda Ribeiro), com o maior número de presenças (5) no evento.  

Obteve o seu melhor resultado nos Jogos de Atlanta (1996) ao classificar-se na 13.ª posição na prova dos 20 km marcha. 

Com a conquista do título mundial de juniores (Sub-20), com apenas 15 anos de idade, tornou-se no símbolo da marcha atlética portuguesa. Bateu vários recordes nacionais de jovens e absolutos e sagrou-se campeã nacional em mais de meia centena de eventos. 

Participou nas Taças da Europa de Marcha de 1996 (3.ª), 2000, 2001, 2003, 2005 (2.ª), 2007, 2009, 2011, 2013 e 2015 e nas Taças do Mundo de Marcha de 1993, 1995, 1997, 1999, 2002, 2006, 2008, 2010, 2012, 2014 e 2016, aqui marcando o fim da sua carreira a nível internacional. 

Ainda no plano internacional, há a salientar a participação em 6 edições dos Campeonatos da Europa e em 11 edições dos Campeonatos do Mundo, nestes últimos fazendo de Susana Feitor a atleta portuguesa com maior número de participações no evento.  

De destacar na atleta rio-maiorense, além das medalhas conquistadas em europeus e mundiais Sub-20, o terceiro lugar nos Europeus de Atletismo de Budapeste, em 1998, e a medalha de bronze conquistada nos Mundiais de Atletismo de Helsínquia, em 2005, aqui com a particularidade de estarmos a celebrar, precisamente no dia de hoje, o 15.º aniversário da primeira conquista de uma medalha em mundiais de atletismo, através de uma atleta da disciplina da marcha. 

Recordes pessoais nas distâncias olímpicas: 10 km, 42.39 (2001); 20 km, 1.27.55 (2001).

Fonte: Estatísticas do Atletismo Português, por Manuel Arons de Carvalho

quinta-feira, 6 de agosto de 2020

Perseus Karlström vence «Troféu Gotemburgo», Suécia

Andreas Gustafsson, Brendon Boyce, David Kenny, Bo Gustafsson, Havard Haukenes,
Callum Wilkinson e Perseus Karlstrom, o vencedor. Fotos: fb de Bo Gustafsson
e Perseus Karlström (arq.). Montagem: O Marchador
O Parque Slottsskogen, na cidade de Gotemburgo, na Suécia, foi palco, ontem (5/8) ao final da tarde, de um evento de marcha sobre 10 km designado por «Gothenburg Trophy» e participado por credenciados especialistas de várias nacionalidades.

O sueco Perseus Karlström, bronze nos 20 km do mundial de atletismo em Doha 2019, foi um natural vencedor com a marca de 39.39 (7.25 nos últimos 2 quilómetros), sendo seguido pelo britânico Callum Wilkinson, também abaixo dos 40 minutos de prova, com 39.52. A terceira posição foi ocupada pelo norueguês e especialista de 50 km, Havard Haukenes, com um recorde pessoal de 40.15. 

Numa prova participada por 8 atletas e «apadrinhada» por Bo Gustafsson, vice-campeão olímpico nos 50 km em Los Angeles-1984, referência ainda para a quarta posição do jovem irlandês David Kenny, de 21 anos, a obter um significativo recorde pessoal de 40.20.

Classificação
10 km masculinos
1.º, Perseus Karlstrom, 1990 (Eskilstuna FI), 39.39
2.º, Callum Wilkinson, 1997 (GBR - Grã-Bretanha), 39.52
3.º, Havard Haukenes, 1990 (NOR - Noruega), 40.15
4.º, David Kenny, 1999 (IRL - Irlanda), 40.20
5.º, Brendon Boyce, 1986 (IRL - Irlanda), 41.39
6.º, Andreas Gustafsson, 1981 (GK Steget), 43.48
7.º, Christer Svensson, 1969 (Vaxjo AIS), 49.36
Desistente: Peter Ferrari, 1964 (Vaxjo AIS).

Marchadores olímpicos portugueses (1984-2016): José Pinto e José Urbano

José Pinto (1984-1988-1992) e José Urbano (1988-1992-1996).
Fotomontagem: O Marchador

O dia de hoje marcaria a realização da primeira prova de marcha dos Jogos Olímpicos de Tóquio, com os 20 km masculinos, em Sapporo. Os Jogos foram, entretanto, reagendados para o verão de 2021 devido à pandemia causada pela Covid-19. Este evento nunca tinha sido adiado em 124 anos de história, se bem que tivessem sido cancelados os Jogos de 1916, 1940 e 1944, durante as duas guerras mundiais. 

Ora, hoje, relembramos os primeiros marchadores portugueses que tomaram parte nos Jogos Olímpicos, a competição mais emblemática e sonhada de quantos estão ligados ao atletismo, nas suas mais variadas funções. E começamos pelo setor masculino que, até ao momento, conta com a participação de 12 atletas da disciplina. 

José Pinto

Nasceu a 19 de junho de 1956, em Lisboa. Foi treinado por Francisco Assis, Adriano Pereira, Paulo Alves e Luís Dias.

Foi a primeira grande figura da marcha portuguesa a ter destaque internacional. Encaminhado para a disciplina por Francisco Assis, que orientava tecnicamente o numeroso grupo de jovens atletas que lhe apareciam na então pista de atletismo, em tartan, do Sport Lisboa e Benfica, na década de 70 do século XX, foi o primeiro especialista português a obter mínimos para um grande evento internacional – os Europeus de 1982, em Atenas.

A sua carreira desportiva, quase toda ela em representação do Clube de Futebol “Os Belenenses”, levou-o a bater vários recordes nacionais - o dos 50 quilómetros, estabelecido em 1983 e batido por sete vezes, duraria até fevereiro de 2004. Sagrou-se campeão nacional nos 20 e 50 km marcha, em 12 ocasiões.  

José Pinto participou em três Jogos Olímpicos: Los Angeles, em 1984, Seoul, em 1988, e Barcelona, em 1992, realizando cinco provas (três de 50 km e duas de 20 km). Foi em Los Angeles, onde competiu nos 20 e 50 km marcha, que alcançou a sua melhor classificação. Foi oitavo classificado nos 50 km, recebendo o diploma olímpico, o único em posse de um marchador português na distância, no setor masculino.

Recordes pessoais nas distâncias olímpicas: 20 km, 1.24.05 (1989); 50 km, 3.52.43 (1989).


José Urbano

Nasceu a 1 de março de 1966, em Forninhos, Aguiar da Beira, distrito da Guarda. Foi treinado por Luís Dias. Iniciou-se na especialidade da marcha no Sport Lisboa e Benfica, que então contava com vários bons especialistas, realizando a sua primeira competição em janeiro de 1985, já como júnior (sub-20) de segundo ano.

A sua ascensão na marcha ao mais alto patamar foi muito rápida e surpreendente, ao ponto de bater o recorde nacional da categoria Sub-20 passados apenas seis meses de prática, realizando mínimos para os Europeus da categoria, nesse mesmo ano.

Foi várias vezes campeão nacional, batendo recordes de Portugal, desde os 5.000 mil metros até aos 50.000 metros, em pista ao ar livre, pista coberta e estrada, dominando a disciplina dos 20 km marcha no período de 1987 a 1997. 

Participou nos Jogos Olímpicos de Seoul, em 1988, de Barcelona, em 1992, onde conseguiu o seu melhor resultado nos 50 km marcha, o 25.º lugar, e nos Jogos de Atlanta, em 1996. O seu currículo é ainda enriquecido com participações em Campeonatos do Mundo, Campeonatos da Europa, Taças do Mundo de Marcha e Taças da Europa, competições ao ar livre onde conseguiu o 12.º lugar, a sua melhor prestação, na Taça do Mundo de Nova Iorque, e também com presenças ainda em europeus e mundiais de pista coberta.

Recordes pessoais nas distâncias olímpicas: 20 km, 1.21.41 (1992); 50 km, 3.57.29,5 (1993).

Fonte: Estatísticas do Atletismo Português, por Manuel Arons de Carvalho